Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Como a taxa de juros afetam os investimentos?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


O que são taxas de juros? Como a mudança na taxa de juros afeta os nossos investimentos no mercado de ações? Que fatores influenciam as taxas de juros para que os bancos centrais determinem uma taxa ou outra?

O que são taxas de juros? Taxas de juros altas ou baixas

A taxa de juros não é o preço do empréstimo do dinheiro. As altas taxas de juros afetam o financiamento das empresas, uma vez que os empréstimos são mais caros, pois os investimentos são menos rentáveis ​​para as empresas e isso afeta a sua demonstração de resultados.

Caso as taxas de juros estejam muito baixas, pode haver o risco de as empresas endividarem excessivamente e, no caso de uma futura alta das taxas de juros, terem problemas financeiros.  Portanto, devemos encontrar estabilidade para as taxas de juros, embora seja difícil de especificar, embora possa ser melhor abaixo desse nível médio.

Como é calculada a taxa de juro?

Antes de saber como é calculado, é bom rever os tipos de taxas de juro que existem:

  • Taxa de juro nominal: a taxa de juro, sem capitalização, ao retirar os juros obtidos sem os reinvestir (juro simples). Isto torna possível calcular a taxa para diferentes períodos.
  • Taxa efetiva: esta é a taxa de juro efetiva após a composição ou reinvestimento dos juros (juros compostos). Pode ser convertida para uma taxa efetiva periódica e desta taxa para uma taxa nominal.

EA= Taxa anual efetiva

Dias = Número de dias da taxa a que se converte ou a que é convertido:

  • Mensal = 30 dias
  • Bimensal = 60 dias
  • Trimestral = 90 dias
  • Trimestral = 120 dias
  • Semestral = 180 dias.

Calcular a taxa de juro

Se precisarem de converter 2,08% por mês em atraso para uma taxa anual em dinheiro. Devem utilizar a seguinte fórmula:

  • Taxa de juro anual efetiva (1+IPV) 360 dias -1
  • Taxa de juro anual em dinheiro (1+ 0,0208) 360/30 Dias -1
  • Taxa de juro anual efetiva = 0,282
  • Taxa de juro anual efetiva = 28% A.E.

Importante: Converter a taxa inicial para um número natural e dividi-la em 100 (2,08% / 100 = 0,282). O número resultante deve também ser convertido numa percentagem e depois expresso como uma taxa: 0,282*100 = 28%.

Se quer calcular o retorno gerado pelos seus investimentos, pode usar a nossa calculadora de juros compostos.

Quem define a taxa de juros?

As taxas de juros são fixadas pelos bancos centrais que mais influenciam a economia:

  • FED nos Estados Unidos.
  • BCE Banco Central Europeu na Europa.
  • Bancos Centrais da Inglaterra, Japão, Suíça, Nova Zelândia, Austrália, Canadá ou Polônia, entre outros, também são altamente relevantes.

Tipos de taxa de juros

Em termos dos tipos de taxas de juro que existem, fizemos uma repartição e explicação do que são e das suas características:

Taxas de juro relacionadas com a banca

Taxa de juro do empréstimo

Esta é a percentagem – taxa de juro – que os bancos, com base nas condições de mercado e nas disposições do banco central do país ou do Banco Central Europeu, cobram pelos tipos de serviços de crédito concedidos aos utilizadores. São definidas como taxas de empréstimo porque são a favor do banco.

A percentagem que um banco deve pagar aos seus clientes pelo depósito de dinheiro utilizando um dos instrumentos/produtos para esse fim.

Taxa principal

Percentagem ou taxa de juro abaixo da taxa “normal” ou média ou taxa geral (pode ser inferior ao custo de financiamento de acordo com as políticas governamentais) cobrada por empréstimos concedidos para atividades definidas que procuram promover o governo ou mesmo uma instituição financeira. Como por exemplo:

  • Crédito regional seletivo
  • Crédito aos pequenos comerciantes
  • Crédito a ejidatarios
  • Crédito a novos clientes
  • Crédito aos membros de uma sociedade ou associação, etc.

Taxas de juro nominais e reais

Taxas de juro de acordo com a taxa de inflação. A taxa de juro real refere-se ao rendimento nominal ou taxa de juro nominal de um determinado ativo descontando a perda de valor do dinheiro devido à inflação.

O valor pode ser encontrado subtraindo a taxa de inflação da taxa de juro nominal. Assim, a taxa de juro nominal é normalmente apresentada como o montante de juros sobre empréstimos, incluindo a taxa de juro real ou a taxa de inflação. Se a taxa de juro nominal for igual à taxa de inflação, o credor não terá lucro nem sofrerá perdas, o montante a ser reembolsado no futuro será semelhante ao valor atual do dinheiro.

Os credores só ganham se a taxa de juro for alta e a inflação for baixa ou zero.

Se a taxa de inflação exceder a taxa de juro nominal, isto é equivalente a uma taxa de juro real negativa e um rendimento negativo para o mutuante ou para o investidor.

Taxas de juro fixas e flutuantes

A taxa de juro fixa e a taxa de juro flutuante são utilizadas em operações financeiras, económicas e hipotecárias na compra de habitação. No que respeita aos juros fixos, os juros são calculados com base numa taxa única ou estável – a mesma percentagem do capital – para o prazo do empréstimo ou depósito, conforme o caso.

No caso de juros variáveis, a taxa de juros – a percentagem do capital aplicado – não é fixa, mas varia ao longo do tempo. Assim, a taxa de juro variável aplicada em cada período de tempo tem duas taxas a partir da soma das duas; sendo estas a taxa de juro indexada ou de referência e a margem percentual ou diferencial.

Taxa de juro positiva e negativa

A taxa de juro é positiva quando excede zero (0) enquanto que será negativa quando está abaixo de zero (0). O interesse é geralmente positivo mas pode ser negativo.

Quando as taxas de juro estagnam, elas caem como forma de impulsionar o consumo e a economia. Se isto não funcionar, os bancos centrais podem decidir baixar as taxas para menos de zero (0%), o que significa que os depósitos, ou seja, as poupanças, oferecem um retorno e impulsionam a circulação do dinheiro e da economia em geral.

Euribor

As taxas de juro Euribor – Euro Interbank Offered Rate – são as taxas de juro de referência para o mercado monetário do euro para vencimentos de uma semana e um ano. As taxas Euribor servem de referência para alguns produtos financeiros, em particular hipotecas de taxa variável em Portugal e instrumentos de taxa de juro, tais como obrigações e derivados.

São as taxas às quais as instituições de crédito da União Europeia e dos países da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) têm a possibilidade de aceder a fundos em euros no mercado monetário por grosso não garantido com diferentes prazos de vencimento.

Impulsionadas pela crise financeira de 2008 e por uma grande recessão, várias taxas de juro atingiram níveis próximos de zero e mesmo taxas de juro negativas. Na Europa onde a Euribor, a taxa de juro do mercado interbancário do euro, está em vigor, ela caiu de 0 para juros negativos em 2016 (de -0,073% para 1 ano, de 0,313% para 3 meses e de -0,385% para uma semana). Embora a taxa de fundos federais desde 2008 tenha permanecido próxima de 0 e abaixo de 1%.

Como a taxa de juros afeta o mercado de ações?

Se os juros subirem

Caso as taxas de juros subam, os investidores acharão o Mercado de Ações menos atrativo, pois em outros mercados, como o mercado de renda fixa e o mercado de depósitos bancários, proporcionará maiores lucros sem risco, portanto, o mercado de Renda Fixa aumentará em relação ao investimento na Bolsa de Valores.

Se os juros caírem

Nesse caso, a Bolsa de Valores subirá, pois tanto os investidores quanto os poupadores buscarão rendimentos maiores que nem a renda fixa, nem os depósitos bancários podem nos oferecer.

Que fatores influenciam as diminuições e aumentos da taxa de juros?

Existem vários, mas há dois fatores macroeconómicos mais relevantes na determinação de um aumento ou diminuição da taxa de juros: a inflação e a evolução da taxa de câmbio.

Inflação

A inflação é a variável mais determinante na evolução da taxa de juros. A remuneração deve ser valorizada em termos reais.

Se a inflação aumentar num país ou área económica, é provável que o país ou área tenha que aumentar a taxa de juros nominal para manter o seu retorno real sobre o dinheiro.

Se quer saber mais sobre a inflação, leia o nosso artigo do impacto da inflação.

Taxa de câmbio

Para defender a taxa de câmbio, os bancos centrais aumentam a taxa de juros, o que pode causar uma estagnação económica significativa que pode causar maior desconfiança ao nível dos mercados internacionais.

Isso acontece muitas vezes com os países emergentes com influência nos mercados devido à taxa de juros diante de uma moeda fraca e a sua influência no crescimento económico.

Porque é que a taxa de juros influencia os investimentos?

A resposta pode ser dada com o atual cenário económico e a relação entre o Banco Central e os bancos comerciais, sendo os bancos comerciais onde pessoas e empresas recorrem para abrir uma conta ou solicitar um empréstimo, os bancos comerciais pedem dinheiro emprestado ao banco central para oferecer aos seus clientes que precisam de curar as necessidades financeiras.

Em troca, os bancos comerciais fornecem um ativo ao banco central como garantia para assegurar o reembolso do empréstimo. O ativo é geralmente obrigações do Estado, ou dívida emitida pelo Estado. Isto permite ao banco central emprestar dinheiro aos bancos comerciais, de modo que os bancos comerciais, por sua vez, emprestam dinheiro aos seus clientes individuais e empresariais.

A taxa de juro entra em jogo quando cada banco comercial tem de pagar o empréstimo ao banco central, e para além do dinheiro tem de pagar uma taxa de juro. O banco central fixa a sua própria taxa de juro, ou seja, o preço do dinheiro. Por outras palavras, o preço é a taxa de juro.

Estas são muitas vezes chamadas taxas de juro de referência, e os bancos centrais estão atualmente a aumentar as suas taxas de juro para controlar a inflação. Assim, a taxa de juro influencia como quando o banco central cobra taxas elevadas aos bancos comerciais, e por sua vez os bancos comerciais, devem aumentar as suas taxas de juro e os custos que os seus clientes e empresas devem pagar ao pedir dinheiro emprestado.

Isto significa que os empréstimos, cartões de crédito e hipotecas se tornam mais caros e as pessoas deixam de pedir empréstimos. Entretanto, as empresas que normalmente contraem empréstimos para fazer investimentos, quando veem que têm de pagar uma taxa de juro mais elevada por um empréstimo, hesitam em pedir dinheiro ao banco para investir ou não.

Outros fatores menos relevantes nas taxas de câmbio: emprego e crescimento económico

Outros fatores que influenciam são o emprego (a geração de empregos é menos significativa) e o crescimento económico (renda) , mas eles só terão influência no caso em que afetarem a inflação.

O ambiente internacional também é um fator importante devido à globalização do mercado de juros.

Em suma, as taxas de juros são afetadas principalmente por:

  • Evolução da inflação nos países desenvolvidos.
  • Comportamento da moeda em países emergentes.
  • Evolução das taxas de juro a nível internacional devido ao possível efeito de contágio de outros países.

Onde investir com taxas de juro em queda e elevadas

Onde investir com taxas de juro crescentes

Se está a pensar onde investir quando as taxas de juro estão a subir? Não que haja tantas opções, uma vez que as taxas de juro estão a 0% na Zona Euro há cerca de 6 anos, e ao mesmo tempo têm vindo a cair há mais de 13 anos. Por isso, é necessário procurar com afinco para detectar oportunidades de investimento.

Assim, onde investir neste cenário de inflação e recessão. As ações continuam em atraso, em que setores de atividade como a energia, recursos básicos, bancos, companhias de seguros, setores industriais em geral, turismo, etc., estão a investir. Portanto, é preciso saber para que lado sopra o vento.

O setor que mais beneficia do aumento das taxas de juro é o setor bancário, pois aumenta a margem de intermediação, a diferença entre os juros pagos pelo banco a quem lhe pede dinheiro emprestado e o que este cobra a quem lho empresta, sendo esta a diferença entre os rendimentos obtidos sobre os ativos e o custo dos passivos. Embora investir no setor tecnológico seja o mais afetado, é o sector tecnológico que deve ser evitado.

A medida que as taxas de juro sobem, os investidores tendem a não ser atraídos para o mercado de ações, e tendem a deslocar-se para outros mercados, tais como o de rendimento fixo e depósitos bancários, onde podem obter rendimentos mais elevados sem risco, o mercado de rendimento fixo tem frequentemente um desempenho superior ao investimento do mercado de ações.

Onde investir quando as taxas de juro estão em queda

Quando o dinheiro é barato, ou seja, com taxas de juro baixas e abaixo de 0%, é bom saber onde investir com taxas negativas, pelo que sem dúvida um fundo mútuo permite entrar nas suas poupanças e investir nos mercados, permitindo-lhe procurar diferentes alternativas de investimento.

Os fundos de investimento cobrem diferentes tipos de riscos, desde os mais conservadores até aos mais arriscados quando investem e procuram rendimentos nos mercados financeiros. Há sempre stocks em alta ou em baixa que oferecem oportunidades e especialmente em setores que se destacam.

Situação atual e situação atual em Portugal

Do acima mencionado, as condições financeiras com taxas de juro mais elevadas geram uma queda acentuada na despesa dos consumidores em quase todos os setores económicos. À medida que a procura de bens e serviços cai, o preço também cai. Os bancos centrais têm como objectivo conter as despesas e reduzir a inflação.

O Banco de Portugal projetou uma taxa de inflação de 5,9%, quase de acordo com a previsão do FMI de 6%. Isto significa que, se forem cumpridos, terão de gastar 1060 euros no que costumava custar 1000 euros. Comparativamente, muitos investimentos financeiros têm um desempenho inferior ao esperado.

No caso da taxa média sobre um depósito de 1 ano de 5.000 euros, ela rende 0,07% líquidos, ou seja, 86 vezes menos do que a inflação projetada. Se estiver a pensar investir as suas poupanças e colocá-las numa conta bancária a prazo, perderá dinheiro, em vez de o ganhar.

A situação atual em Portugal está a pressionar aqueles que são capazes de o fazer a procurar investimentos cujo retorno seja superior à taxa de inflação. No entanto, a longo prazo, só conseguirão aumentar o valor dos seus investimentos. Entretanto, face ao aumento do custo de vida, as famílias portuguesas continuam a depender de depósitos bancários, com depósitos bancários e contas correntes a atingirem níveis recorde.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Manual de Bolsa

Este e-book irá ajudá-lo a aprender o que precisa de saber para começar com sucesso nos seus investimentos:

  • Noções básicas financeiras
  • O que é e como funciona o mercado de ações
  • Dicas úteis para investir

Artigos Relacionados

A Interactive Brokers foi fundada em 1978 em Nova York e é uma corretora on-line líder no mercado global de ações, op...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments