EBITDA: o que é e como calcular?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Aprofunde o seu conhecimento em finanças com o nosso guia sobre o rácio EV/EBITDA. O EBITDA, lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, é uma medida do desempenho financeiro da empresa. Muitas vezes, é usado como alternativa ao lucro simples ou ao lucro líquido. No entanto, este indicador pode ser enganador, ao excluir o custo de investimentos de capital, como o imobilizado.

Por isso, é importante compreender a fundo este indicador. Além do artigo, para facilitar a compreensão, oferecemos um vídeo explicativo que expande o conceito de EV/EBITDA, ajudando a interpretá-lo de maneira eficaz para a tomada de decisões financeiras. Mediante uma linguagem clara e direta, terá a oportunidade de ver como calcular e interpretar o rácio EV/EBITDA, na prática.

O que é o EV/EBITDA?

Esta métrica também exclui as despesas associadas à dívida, adicionando as despesas com juros e impostos aos lucros. No entanto, é uma medida mais precisa do desempenho corporativo, pois é capaz de mostrar ganhos antes da influência de deduções contabilísticas e financeiras.

Simplificando, este indicador é uma medida de rentabilidade. Embora não exista nenhum requisito legal para as empresas divulgarem o seu EBITDA, de acordo com os princípios contabilísticos, eles podem ser elaborados e relatados utilizando as informações encontradas nas demonstrações financeiras de uma empresa.

Os resultados, impostos e juros são encontrados na demonstração deo resultados, enquanto os valores da depreciação e amortização são normalmente encontrados nas notas sobre o lucro operacional ou na demonstração do fluxo de caixa. O atalho usual para calcular o EBITDA é começar com o lucro operacional, também chamado de lucro antes dos juros e impostos (EBIT), e depois adicionar de volta a depreciação e amortização.

As principais vantagens:

  • Permite conhecer o fluxo de dinheiro real que a empresa deve assumir, após o investimento no projeto, os diferentes pagamentos de dívidas.
  • Permite comparações da história da empresa ao longo da sua operação.

Leia ainda 👉 O que é a análise fundamental

Para que serve o EV/EBITDA?

O EBITDA é umas das métrica mais importante para medir a produtividade e eficiência de uma empresa. Ajuda a analisar a geração de caixa, analisando com precisão variáveis mais complexas como o financiamento, que podem ser analisadas a partir da sua própria perspetiva.

Saber se deve ou não ter lucro torna-o fundamental, mas confiar apenas nestes dados primários numa análise pode fazê-lo perder-se ao tentar diagnosticar a saúde financeira porque existem outros factores envolvidos, tais como impostos, vendas, etc., tornando-os componentes cruciais de qualquer bom diagnóstico.

O número do EBITDA pode ser um indicador útil da saúde financeira da empresa. Permite-lhe ir para além do seu ambiente de financiamento e alavancagem, mostrando mais claramente em que situação operacional se encontra agora que irá ajudar com a sua análise no futuro.

Veja também o nosso artigo sobre 👉 Análise de empresas

Tipos de EBITDA

  • EBITDA positivo: Se o EBITDA do projecto for positivo, indica que o projecto, sem ter em conta as despesas financeiras e fiscais, é rentável, mas a rentabilidade final do projecto dependerá da gestão das políticas de financiamento, tributação, amortização e depreciação da empresa.
  • EBITDA negativo: Por outro lado, se o EBITDA for negativo, o resultado será negativo, portanto, neste caso, seria por si só critério suficiente para excluir a viabilidade de um projecto.

Embora isto não faça parte da declaração de rendimentos de uma empresa, é um indicador amplamente utilizado como referência para a sua actividade porque se refere à capacidade da empresa para gerar lucros considerando apenas a sua actividade produtiva.

Como calcular o EV/EBITDA

Antes de mergulharmos na fórmula do EBITDA, é importante entendermos o que essa sigla representa e por que ela é tão relevante no mundo dos negócios. EBITDA é a abreviatura de Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation, and Amortization (em português, Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciaçõe e Amortizações). Esta métrica é um indicador chave da performance financeira de uma empresa e da sua capacidade de gerar lucros operacionais. É amplamente utilizada por investidores e analistas para avaliar e comparar a lucratividade de diferentes empresas, principalmente porque elimina os efeitos de decisões financeiras, práticas contabilísticas e obrigações fiscais.

Nesta secção, vamos explorar a fórmula do EBITDA em detalhe, vamos mostrar um exemplo prático de como calculá-la e discutir algumas considerações importantes ao utilizar este indicador financeiro.

Explicação detalhada da fórmula EBITDA

EBITDA é uma métrica financeira que representa os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização. É uma medida de desempenho comum que é utilizada para comparar a lucratividade entre diferentes empresas e setores.

A fórmula do EBITDA é a seguinte:

EBITDA = Lucro Operacional + Depreciação + Amortização

O lucro operacional, também conhecido como lucro antes de juros e impostos (EBIT), representa os lucros da empresa provenientes de suas operações centrais. Este é o lucro “antes” de deduzir juros e impostos.

A depreciação é a diminuição do valor dos ativos físicos de uma empresa ao longo do tempo, enquanto a amortização é a diminuição do valor dos ativos intangíveis.

Quais fatores devem ser excluídos do cálculo do EBITDA?

Os elementos excluídos do cálculo do EBITDA são:

  • Interesse financeiro
  • Os afluentes (impostos)
  • Externo (depreciação)
  • Retorno do investimento (amortizações)

Estes elementos estão excluídos do indicador EBITDA, uma vez que o objetivo da utilização do EBITDA é que ele reflita no resultado o que é o valor real da empresa nos seus lucros ou prejuízos, ou no núcleo do seu negócio.

Itens que não estão relacionados com a atividade principal, tais como: lucros ou perdas com a venda de terrenos, ou uma empresa que não faz parte da atividade, devem ser excluídos do cálculo do EBITDA, pois o objetivo principal da utilização do EBITDA é a comparação no que diz respeito a outra empresa ou entre períodos da mesma empresa, analisando o negócio base da empresa e não aspectos periféricos.

O cálculo do EBITDA é feito a partir de uma fórmula simples. Conhecemos as etapas para calcular o EBITDA abaixo:

  1. Calcule o lucro ou lucro líquido da empresa subtraindo despesas e custos da receita na demonstração do resultado. Isso é conhecido como EBIT ou resultado operacional.
  2. Some os custos de depreciação.
  3. Some os custos de amortização.

Assim, a fórmula seria a seguinte:

Rendimento de atividades ordinárias

– Custos de venda

– Despesas comerciais e administrativas

+ Depreciação

+ Amortização

= EBITDA

Exemplo de EV/EBITDA

Vejamos um exemplo de cálculo de EV/EBITDA.

Suponhamos que temos os seguintes dados (todos em euros, excepto o número de ações):

Número de acções: 5.000
Preço das acções: 4
Dívida financeira: 15.000
Dinheiro e equivalentes: 3.400
Lucro líquido: 2.700
Juros: 600
Depreciações e amortizações: 750
Taxa de impostos: 25%

Primeiro calculamos o valor da empresa

EV = Capitalização bolsista + Dívida financeira líquida
Dívida financeira líquida = Dívida financeira – Dinheiro e equivalentes

Capitalização bolsista = (número de acções * preço das acções) = 5.000*4 = 20.000
Dívida financeira líquida = 15.000 – 3.400 = 11.600

Valor da empresa = 20.000 + 11.600 = 31.600

Agora, procedemos com o EBITDA:

EBITDA = Lucro líquido + juros + amortizações e depreciações + impostos

Também podemos apresentá-lo assim:

EBITDA = Lucros após impostos + juros + amortizações e depreciações

Lucro líquido = Lucro antes de impostos(1-0,25) 2.700 = Lucro antes de impostos0,75
Lucro antes de impostos = 3.600

EBITDA = 3.600 + 600 + 750 = 4.950

E agora podemos dar o último passo:

EV/EBITDA = 31.600/4.950 = 6,3838

Portanto, a empresa mostra aparentemente um rácio EV/EBITDA aceitável. Embora devamos comparar com o histórico e com outras empresas do sector.

*No exemplo estamos a assumir que a empresa não tem investimentos financeiros correntes.

Análise do EV/EBITDA

Como referido, o EBITDA é um indicador do lucro da empresa, sem levar em consideração as despesas financeiras e tributárias. No entanto, é necessário esclarecer alguns pontos para não interpretá-los incorretamente:

  • Em primeiro lugar, este indicador não pode ser utilizado para medir a liquidez gerada pela empresa, uma vez que apesar de depreciações e amortizações, não tem em consideração outros fluxos de caixa como pagamentos financeiros ou vendas e compras ainda não realizadas.
  • Ao desconsiderar o endividamento da empresa, um EBITDA elevado pode ser resultado de um alto grau de alavancagem, pelo que a real capacidade de lucro da empresa pode ser consideravelmente reduzida.
  • Ao eliminar as amortizações produtivas, não tem em consideração os investimentos produtivos realizados para manter a actividade da empresa nem no passado, nem no período corrente.
  • O EBITDA por si só não é suficiente para determinar se um projeto é lucrativo ou não, mas deve ser avaliado em conjunto com outros indicadores que avaliam outros aspectos sensíveis do projeto.
  • Os dados obtidos pelo cálculo do EBITDA são normalmente comparados com as vendas (EBITDA / Vendas), pois este rácio permite conhecer a eficiência da empresa.

Outra forma de utilizar o EBITDA é a relacionar com o Enterprise Value ou valor da empresa. Assim, a relação (Enterprise Value) / EBITDA é utilizada para determinar se a empresa incorpora mais ou menos valor do que o diretamente relacionado com os recursos gerados e, portanto, se a gestão da empresa é superior ou inferior aos resultados obtidos.

Considerações importantes ao calcular o EBITDA

É importante notar que o EBITDA não é uma medida perfeita da lucratividade de uma empresa. Embora seja uma medida útil para comparar a lucratividade de diferentes empresas, não considera as diferenças nas estruturas de capital, impostos e práticas contabilísticas. 

Aqui estão algumas das principais limitações do EBITDA:

  • Exclusão de itens não operacionais: O EBITDA exclui certos itens não operacionais, como juros, impostos, depreciação e amortização. Embora isso possa ajudar a fornecer uma visão do desempenho operacional de uma empresa, também significa que o EBITDA não reflete completamente a realidade financeira da empresa, uma vez que esses itens podem ter um impacto significativo nos resultados finais.
  • Ausência de investimentos de capital: O EBITDA não leva em consideração os investimentos de capital necessários para o crescimento e a manutenção de uma empresa. Os investimentos de capital, como a compra de equipamentos ou a expansão de instalações, são cruciais para o crescimento a longo prazo de uma empresa. Ignorar esses investimentos pode dar uma visão distorcida da saúde financeira e da capacidade de crescimento da empresa.
  • Ausência de despesas com juros e impostos: O EBITDA não considera as despesas com juros e impostos, que são componentes essenciais das operações financeiras de uma empresa. Ignorar essas despesas pode levar a uma avaliação imprecisa da rentabilidade e da capacidade da empresa de gerar fluxo de caixa líquido.
  • Variações na depreciação e amortização: O EBITDA é influenciado pela política de depreciação e amortização adotada por uma empresa. A escolha da vida útil e dos métodos de depreciação pode diferir entre empresas e setores, o que pode levar a variações no EBITDA relatado. Isso torna mais difícil comparar o desempenho entre empresas que adotam diferentes políticas contabilísticas.
  • Ignorância do ciclo de caixa: O EBITDA não leva em consideração o ciclo de caixa de uma empresa. O ciclo de caixa inclui o tempo necessário para converter despesas operacionais em receitas, levando em conta o prazo de pagamento de fornecedores, o ciclo de produção e o prazo de recebimento de vendas. Ignorar esses aspetos pode ocultar problemas de liquidez e gestão do capital de giro.
  • Falta de informações sobre a qualidade dos lucros: O EBITDA não fornece informações sobre a qualidade dos lucros de uma empresa. É possível que uma empresa possa gerar um EBITDA robusto, mas ainda assim enfrentar desafios em termos de fluxo de caixa e lucratividade líquida.

Portanto, embora o EBITDA seja uma métrica útil para avaliar o desempenho operacional de uma empresa, é essencial complementá-la com outras métricas financeiras e considerar as suas limitações. Os investidores e analistas financeiros devem ter cuidado ao utilizar o EBITDA como a única medida de avaliação e devem buscar uma compreensão abrangente das demonstrações financeiras e das dinâmicas subjacentes de uma empresa.

O que é a margem EBITDA e para que serve?

A margem EBITDA refere-se à relação entre o EBITDA e as vendas totais. Em relação à margem de lucro líquido margem, ela não considera os impostos, juros ou possível depreciação.

No caso da margem EBITDA, esta fornece informações sobre a rentabilidade da empresa no que diz respeito aos seus processos operacionais.

Como é calculada a margem?

No cálculo da margem EBITDA, esta é calculada somando as despesas não monetárias de depreciação e amortização ao resultado operacional da empresa em questão. Também pode calcular o EBITDA com base no lucro líquido da empresa e incluindo juros, impostos, depreciação e amortização.

O EBITDA é um indicador financeiro que pode ser muito útil para saber a rentabilidade de um projeto, mas é importante ressaltar que não deve ser analisado isoladamente, pois pode levar a erros de interpretação. Lembre-se que caso tenha alguma dúvida ou necessite de mais informações, pode comentar abaixo e teremos todo o prazer em ajudar.

Vantagens e desvantagens do EV/EBITDA

Vantagens EV/EBITDA

As principais vantagens do EBITDA são:

  • Permite cortar o caminho na hora de estimar o fluxo de caixa disponível da empresa, pois reflete quanto dinheiro a empresa tem para pagar as suas dívidas após subtrair as suas despesas mais importantes. Estse índice indica o nível de solvência da empresa, o que permite saber se pode ou não pagar a sua dívida. Como tal, o EBITDA permite calcular o índice de cobertura da dívida que possuem;.
  • Permite saber qual é o fluxo de dinheiro real que a empresa tem que assumir, após o investimento no projeto, os diferentes pagamentos de dívidas;
  • Permite comparações da história da empresa ao longo da sua operação;.
  • Outra vantagem é a sua utilidade de comparação entre empresas, comparação de dados históricos das mesmas empresas e, simultaneamente, comparação com dados do setor. O EBITDA fornece informações que não são influenciadas por alavancagem financeira, impostos ou custos de amortização. Ao subtrair esses elementos para o seu cálculo, pode-se conhecer melhor a situação financeira das empresas.

Desvantagens EV/EBITDA

No entanto, devemos considerar algumas desvantagens:

  • O valor em si do rácio pode não nos dizer muito, é importante compará-lo com o seu sector, e com os dados anteriores da própria empresa.
  • O rácio pode cair ou subir por vários motivos, pode ser pelo numerador (o valor da empresa) ou pelo denominador (o EBITDA).
  • Pode mostrar melhores dados para aquelas empresas intensivas em capital. Isto é porque estas empresas devem cobrir maiores custos de amortização e depreciação (implicando um EBITDA relativamente alto).
  • Não considera, além das amortizações e depreciações, outros custos que poderiam ser relevantes, como os custos financeiros e aqueles extraordinários.
  • O rácio pode mudar ao longo do tempo. Um EV/EBITDA baixo ou aceitável pode aumentar se o negócio começar a gerar menos lucros. Lembremos que, se o EBITDA (o denominador) baixa, o rácio aumenta.
  • Uma empresa pode mostrar um rácio baixo porque a expectativa de crescimento não é boa. Para explicá-lo de outra maneira, se o preço das acções caiu devido a uma demanda reduzida, o valor da empresa (o numerador) também diminui. Consequentemente, o rácio diminui.

Aprofunde o seu conhecimento sobre o rácio EV/EBITDA com este Vídeo

Este vídeo instrutivo desmistifica o rácio EV/EBITDA, um dos mais importantes na análise financeira. Nele, aprenda a calcular e interpretar este indicador de valor de empresa e tornar a sua análise de investimentos ainda mais acurada. Não perca essa oportunidade única de aprimorar as suas habilidades de investimento!

FAQs

O que é o rácio EV/EBITDA?

O rácio EV/EBITDA é uma medida financeira utilizada para avaliar a rentabilidade e o valor real de uma empresa. É calculado dividindo o valor da empresa (EV) pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA).

Como se calcula o EV/EBITDA?

Para calcular o EV/EBITDA, precisa primeiro calcular o valor da empresa (EV), que é a capitalização de mercado mais a dívida líquida. Depois, calcula-se o EBITDA, que é o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Por fim, divide-se o EV pelo EBITDA

O que significa um EV/EBITDA elevado?

Um EV/EBITDA elevado pode indicar que a empresa está sobrevalorizada. No entanto, é importante comparar este rácio com o de outras empresas do mesmo sector para tirar conclusões mais precisas.

Quais são as limitações do rácio EV/EBITDA?

O rácio EV/EBITDA tem várias limitações. Não considera, além das amortizações e depreciações, outros custos que poderiam ser relevantes, como os custos financeiros e aqueles extraordinários. Além disso, pode mostrar melhores dados para aquelas empresas intensivas em capital, criando um viés.

Como posso usar o rácio EV/EBITDA na análise de investimentos?

O rácio EV/EBITDA pode ser utilizado para comparar a valorização de diferentes empresas, especialmente no mesmo sector. Um rácio mais baixo pode indicar uma potencial oportunidade de investimento. No entanto, é importante utilizar este rácio em conjunto com outras ferramentas de análise financeira para tomar decisões de investimento mais informadas.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF

Artigos Relacionados

Neste artigo vamos ver um dos máximos de todo investidor em bolsa. Conseguir criar uma carteira de investimento que gere rendimentos passivos todos os meses, através de dividendos. Para isso, vamos dizer em ...
Após dois anos fracos no mercado de IPOs, 2024 acena com um cenário mais otimista para os mercados financeiros. Dive...

Deixar uma Resposta

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments