Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

P/E ratio: o que é?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

No vasto universo das finanças e dos investimentos, existem diversos indicadores que os investidores utilizam para avaliar o potencial e o valor de um ativo, especialmente quando se trata de ações de empresas. Um dos indicadores mais populares e amplamente utilizados é o P/E ratio, ou Preço-Lucro. Este rácio proporciona uma visão rápida sobre o valor que o mercado atribui a cada euro, dólar ou outra moeda, de lucro que uma empresa gera. Em outras palavras, é uma métrica que ajuda a avaliar quanto os investidores estão dispostos a pagar pelos lucros de uma empresa.

O rácio P/E não só fornece informações sobre a valorização de uma empresa no mercado, como também pode ser utilizado para comparar diferentes empresas dentro de um mesmo setor ou para analisar a evolução da valorização de uma empresa ao longo do tempo. A sua simplicidade e eficácia o tornam-no uma ferramenta fundamental para qualquer investidor, desde os mais novatos até aos mais experientes.

Ao longo deste artigo, vamos analisar o conceito de rácio Preço-Lucro, entender como ele é calculado e descobrir a sua importância e aplicações práticas no mundo dos investimentos.

O que é o rácio P/E?

O rácio P/E, abreviação de “Preço sobre Lucro”, é uma métrica financeira que indica a relação entre o preço atual de uma ação e o lucro por ação (LPA) da empresa associada a essa ação. É, basicamente, o preço que os investidores pagam por cada unidade de lucro gerado pela empresa. Para ilustrar, um rácio P/E de 15 significa que os investidores estão dispostos a pagar 15 vezes o lucro da empresa para possuir uma parte dela.

Mas, por que razão este rácio é tão importante? O rácio P/E é fundamental na avaliação de ações por diversas razões:

Comparação entre empresas: Mesmo que duas empresas tenham o mesmo lucro, elas podem ter rácios P/E diferentes. Isso ocorre porque o mercado pode valorizar mais uma empresa do que outra devido a fatores como perspectivas de crescimento, riscos, gestão, entre outros. Assim, o rácio P/E ajuda os investidores a comparar rapidamente a valorização de empresas diferentes no mercado.

Avaliação relativa ao histórico: Ao analisar o rácio P/E de uma empresa ao longo do tempo, os investidores podem ter uma noção se a ação está mais cara ou mais barata em relação ao seu histórico. Por exemplo, se o P/E atual de uma empresa é significativamente mais alto do que a sua média histórica, isso pode indicar que a ação está sobrevalorizada.

Perceção de mercado: O rácio P/E reflete a confiança e as expectativas dos investidores em relação ao futuro da empresa. Um rácio P/E elevado pode sugerir que o mercado tem expectativas positivas sobre o crescimento dos lucros da empresa no futuro, enquanto um rácio P/E baixo pode indicar o oposto.

Em resumo, o rácio P/E é uma ferramenta valiosa que permite aos investidores obter uma visão rápida e comparativa da valorização de uma empresa no mercado. Ele fornece um ponto de partida para análises mais profundas e é, muitas vezes, o primeiro indicador que os investidores consultam ao avaliar uma ação.

👉 Análise fundamental: o que é e como funciona?

Cálculo do PER ou rácio P/E

O PER é um índice de avaliação de empresas baseado no preço das ações e no lucro por ação (EPS). Uma forma muito simples de calcular se temos ganhos por ação (ganhos por ação – EPS – é calculado tomando os ganhos dos últimos 12 meses e dividindo-os pelo número médio ponderado de ações em circulação) é:

PER = Preço por ação/resultados por ação (EPS)

Outra forma de calcular é a partir da capitalização de mercado e dividindo-a pelo lucro líquido:

PER = Preço por ação * ações em circulação/resultado líquido

Capitalização de mercado: a capitalização de mercado é o valor de uma empresa no mercado. É calculada multiplicando o número de ações pelo preço cotado de cada ação.

O P/E pode ser calculado e estimado em vários sites financeiros. Normalmente vemos o P/E estimado para os próximos anos com base no lucro líquido estimado pelos analistas.

O P/E pode ser ligeiramente diferente, pois as estimativas de lucro líquido podem diferir dependendo da fonte de onde os dados são obtidos.

Vamos entender cada componente da fórmula:

Preço por ação:

O que é? O preço por ação representa o valor pelo qual uma ação está a ser negociada no mercado de valores mobiliários. Em outras palavras, é o preço que teria que pagar para comprar uma única ação da empresa.

De onde é obtido? O preço por ação pode ser facilmente encontrado nas cotações de bolsas de valores, em sites especializados em finanças ou através de plataformas de negociação e investimento. Este valor flutua ao longo do dia de negociação, refletindo a oferta e procura pela ação, notícias relacionadas com a empresa, condições gerais do mercado, entre outros fatores.

Lucro por ação (LPA):

O que é? O Lucro por ação, frequentemente abreviado como LPA, representa a parcela do lucro líquido da empresa atribuída a cada ação em circulação. Ou seja, é uma forma de quantificar quanto do lucro da empresa corresponde a uma única ação.

Como é calculado? O LPA é calculado dividindo-se o lucro líquido da empresa pelo número total de ações em circulação.

Por que é importante? O LPA é uma métrica crucial pois fornece uma ideia clara da rentabilidade da empresa numa base por ação. Assim, os investidores podem ter uma noção de quanto do lucro da empresa é atribuído à ação que possuem ou pretendem adquirir. Um LPA crescente ao longo do tempo pode indicar que a empresa está a aumentar a sua rentabilidade ou reduzindo o número de ações em circulação, ambos os cenários positivos para os acionistas.

Ao dividir o preço da ação pelo LPA, obtemos o rácio P/E. Este valor indica quantas vezes o preço atual da ação está em relação ao lucro gerado por ela, fornecendo uma métrica valiosa para avaliar se a ação está cara, barata ou corretamente valorizada.

P/E melhor alto ou baixo?

A relação P/E funciona de uma forma que ajuda a determinar se um título está sobrevalorizado ou subvalorizado. O P/E de uma empresa também pode ser comparado com outras ações do mesmo setor ou com o mercado mais amplo, como o índice S&P 500.

  • N/A: Se a empresa for deficitária, o seu P/E será indeterminado: um P/E negativo pode ser calculado, mas um P/E indeterminado é atribuído.
  • 0-10: Pode ser que as ações se encontrem subvalorizadas ou que os investidores acreditem que os lucros da empresa estejam a cair.
  • 10-17: Para os analistas, este valor P/E é apropriado para as empresas.
  • 17-25: Pode ser que as ações se encontrem sobrevalorizadas ou que os ganhos tenham aumentado desde o lançamento anterior. Pode também indicar que os investidores acreditam que os ganhos irão crescer no futuro.
  • +25: Tal P/E pode ser devido às elevadas expectativas de crescimento dos lucros futuros ou ao facto de a empresa estar numa bolha especulativa e os preços estarem inflacionados.

O PER diz-nos com que frequência pagamos os lucros da empresa, ou seja, quantos anos serão necessários para recuperar o nosso investimento com base nos lucros da empresa.

O PER também pode ser utilizado para comparar a avaliação de mercado de duas ou mais empresas do mesmo setor. Esta é uma comparação mais precisa do que ter diretamente em conta a capitalização de mercado.

Também nos permite comparar a avaliação da empresa com o passado e, com uma estimativa adequada dos lucros futuros, conseguir calcular como a mesma empresa é paga hoje em relação ao que pagava no passado.

Logicamente, temos de ter mais aspetos em conta, mas esta é uma primeira aproximação para saber com que frequência pagamos lucros.

Tipos de rácio P/E

Dependendo do tipo de lucros considerados no cálculo, podemos identificar dois tipos de P/E:

  • Trailing P/E: se no denominador tivermos em conta os lucros efetivamente obtidos (e que podem ser encontrados nas últimas contas anuais da empresa).
  • Forward P/E: este rácio tem em conta os ganhos estimados, pelo que é uma estimativa do P/E do ano seguinte.

Por que devemos utilizar o rácio P/E na análise de investimentos?

O rácio P/E é uma das ferramentas mais populares e amplamente reconhecidas no arsenal de um investidor. Ele oferece informações valiosas sobre o valor de mercado de uma empresa em relação ao seu desempenho financeiro. Vamos examinar a sua relevância e a sua posição em relação a outros indicadores:

A relevância do P/E na avaliação da valorização de uma empresa

Valorização relativa: O P/E permite aos investidores avaliar rapidamente se uma ação está cara, barata ou razoavelmente avaliada. Por exemplo, um P/E elevado pode sugerir que os investidores têm altas expectativas para o futuro da empresa e, como tal, estão dispostos a pagar um prémio pelas suas ações. Por outro lado, um P/E baixo pode indicar que o mercado tem uma visão mais cautelosa sobre o futuro da empresa.

Comparação setorial: O P/E é especialmente útil quando se compara a valorização de empresas dentro do mesmo setor. Se uma empresa tem um P/E significativamente mais elevado do que outras empresas similares, isso pode ser um sinal de sobrevalorização ou pode indicar que o mercado vê essa empresa como tendo melhores perspectivas de crescimento.

Tendências de mercado: A evolução do rácio P/E de uma empresa ao longo do tempo pode dar aos investidores uma ideia das mudanças nas perceções do mercado sobre essa empresa. Aumentos significativos no P/E podem indicar otimismo crescente, enquanto quedas podem sinalizar o contrário.

O P/E em comparação com outros indicadores

P/B (Preço/Valor Contabilístico): Enquanto o P/E avalia a relação preço-lucro, o rácio Preço/Valor Contabilístico compara o preço de mercado da ação com o seu valor contabilístico por ação. Ambos são úteis, mas enquanto o P/E se concentra mais no desempenho financeiro, o P/B dá uma perspectiva sobre a avaliação em relação ao valor líquido da empresa.

Dividend Yield: Este indicador mostra o rendimento proveniente dos dividendos de uma ação, mas não fornece informações diretas sobre a valorização relativa da ação. Por isso, enquanto o Dividend Yield pode ser interessante para investidores à procura de rendimento, o P/E é mais útil para avaliar a valorização.

ROE (Return on Equity): O ROE mede a rentabilidade dos acionistas, mostrando quanto lucro uma empresa gera com o dinheiro dos acionistas. Embora diferente do P/E, ambos os indicadores podem ser utilizados em conjunto para ter uma visão completa da rentabilidade e valorização de uma empresa.

Em suma, enquanto existem vários indicadores que os investidores podem utilizar, o rácio P/E permanece como uma das ferramentas mais simples e eficazes para avaliar rapidamente a valorização de uma ação. O seu poder reside na sua simplicidade e na sua capacidade de oferecer informações rápidas sobre como o mercado vê o potencial de uma empresa.

👉 Guia completo sobre como analisar uma empresa

Limitações e cuidados ao utilizar o rácio P/E

Diferentes crescimentos de lucro: Empresas com diferentes taxas de crescimento podem ter o mesmo P/E, mas uma empresa com crescimento mais rápido pode ser uma escolha melhor do que uma com crescimento mais lento.

Ciclicidade dos lucros: Para empresas cíclicas, como as do setor automobilístico ou de matérias-primas, os lucros podem variar significativamente ao longo do tempo. Utiliozar o P/E durante um pico ou declínio nos lucros pode fornecer uma imagem distorcida do valor.

Lucros não recorrentes: O P/E é baseado nos lucros reportados que podem incluir itens não recorrentes ou extraordinários. Se uma empresa teve um ganho não recorrente, isso inflacionará os lucros e reduzirá artificialmente o P/E.

Diferenças contabilísticas: As práticas contabilísticas podem variar de uma empresa para outra, afetando o cálculo do lucro líquido e, consequentemente, o rácio P/E.

Ambiente de taxas de juro: Num ambiente de juros baixos, investidores podem aceitar pagar mais por cada unidade de lucro, levando a P/Es elevados. O contrário pode ser verdade em ambientes de juros elevados.

Situações em que o P/E pode ser enganador

Empresas com prejuízo: Para empresas que estão a reportar prejuízo, o P/E é indefinido ou negativo, tornando-se inútil para comparações.

Novas empresas: Startups e empresas em rápido crescimento podem reinvestir todos os lucros, resultando em P/Es elevados ou nulos, o que não significa necessariamente que elas se encontrem sobrevalorizadas.

Setores diferentes: Comparar o P/E de empresas em setores diferentes pode ser enganador, pois cada setor tem as suas próprias características de valorização.

Vídeo: Entender o rácio Preço-Lucro (P/E)

Deseja compreender mais profundamente o conceito de rácio Preço-Lucro, também conhecido como P/E? Neste vídeo, exploramos desde a definição básica deste rácio até à sua aplicação prática, passando por um exemplo ilustrativo. A seguir, encontrará o índice do conteúdo apresentado, facilitando o acesso a pontos específicos do vídeo conforme a sua necessidade.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Encontre a sua corretora
Quer começar a investir ou escolher uma corretora que melhor se adapte às suas necessidades? Quer dar os seus primeiros passos na bolsa de valores ou mudar para uma corretora que melhor se adapte às suas necessidades?
  • Ajudamos a encontrar s corretora certa para si
  • Investigação independente, gratuita e não vinculativa
  • Preencher este questionário em menos de 1 minuto

Artigos Relacionados

Charlie Munger, uma das lendas do mundo financeiro, faleceu. Investidor, empresário, vice-presidente da Berkshire Hathaway, e claro, o braço direito de Warren Buffett, Munger morre aos 99 anos, deixando para...
No universo dos investimentos, entender quais são as “melhores ações para investir” é um objetivo comum, mas complexo...
Neste artigo, veremos o que é investir em dividendos e o ranking dos melhores dividendos deste ano. Fique para descob...
No mundo cada vez mais globalizado e conectado em que vivemos, a possibilidade de investir em ações de empresas além ...