Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Blockchain: o que é e como funciona?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Se ouviram ou leram sobre o Bitcoin e criptomoedas, certamente também sobre blockchain. Se querem saber o que é a blockchain ou cadeia de blocos, a seguir explicamos como funciona e para que serve.

Um Percurso Histórico pela blockchain

Comecemos a nossa viagem em 1991, quando os cientistas Stuart Haber e W. Scott Stornetta propuseram um método inovador para prevenir a falsificação de documentos digitais. Através do uso da criptografia, delinearam a estrutura do que hoje conhecemos como cadeia de blocos.

Avançando até 2004, Hal Finney, um reconhecido desenvolvedor de software e ativista da criptografia, desenhou um sistema de Prova de Trabalho Reutilizável (RPoW, pelas suas siglas em inglês) que permitia a transferência de tokens digitais sem a necessidade de intermediários. Posteriormente, Finney tornou-se a primeira pessoa a receber uma transação através da rede Bitcoin.

E já no ano de 2008, uma entidade desconhecida sob o pseudónimo de Satoshi Nakamoto publicou o documento técnico do Bitcoin, a primeira criptomoeda baseada na tecnologia blockchain. No entanto, não foi até 2009 que esta tecnologia ganhou vida com a introdução do Bitcoin por Nakamoto. O Bitcoin utilizou a blockchain como um livro de contabilidade descentralizado para registar as transações de criptomoedas.

Leia ainda 👉 Bitcoin: o que é e como investir com segurança

O que é a tecnologia blockchain?

A tecnologia blockchain, também conhecida como cadeia de blocos, é um sistema descentralizado que facilita o registo de transações e o rastreio de ativos numa rede. Em termos simples, é como um livro de registo público e inalterável. Imagine que joga um jogo de tabuleiro com amigos. Sempre que alguém faz uma jogada, todos a escrevem. Dessa forma, se alguém tentar fazer batota, todos podem verificá-la nas suas notas. É essencialmente isso que a cadeia de blocos faz.

Cada bloco na cadeia contém dados ou informação, e cada bloco está ligado ao anterior, criando uma cadeia contínua. Esta estrutura garante a segurança e transparência de cada registo, já que nenhum participante pode mudar ou alterar uma transação uma vez que tenha sido registada no livro de contabilidade partilhado.

Cada ‘bloco’ é como uma página desse livro de contas. Ao preencher uma página, passa-se à seguinte, mas mantém-se uma referência à página anterior para manter tudo conectado. Desta forma, forma-se uma ‘cadeia’ de blocos, daí o seu nome.

Para o tornar mais visual, observe a imagem seguinte e imagine que cada ligação é um dos blocos.

blockchain

A Blockchain é mais conhecida pela sua primeira grande aplicação, o movimento e a utilização de criptomoedas, como o Bitcoin. Sempre que alguém compra ou vende Bitcoin, essa transação é registada na blockchain. Assim, todos podem ver quem comprou ou vendeu Bitcoin, mas não quem são essas pessoas, uma vez que as transações são anónimas.

Ao contrário de uma tecnologia de base de dados tradicional, a blockchain é frequentemente descentralizada, armazenando informações em diferentes nós em todo o mundo, em vez de serem armazenadas num único servidor. Isto impede que uma única entidade tenha controlo total sobre ela, protegendo a informação no caso de essa entidade cometer um erro ou ser pirateada.

Com a tecnologia blockchain, uma vez adicionadas informações ou movimentos, estes não podem ser alterados ou eliminados, proporcionando um registo seguro e imutável.

A seguir, analisaremos as principais características desta tecnologia.

Características da Blockchain

A tecnologia blockchain tem características fundamentais que se distinguem pelas seguintes:

  • Informação distribuída: a informação que circula na cadeia de blocos pode ser distribuída em vez de descentralizada. Isto significa que a informação não é armazenada num único local, mas é distribuída por vários nós ou computadores na rede.
  • Descentralização: para além de ser distribuída, a blockchain é descentralizada porque não existe um núcleo único que trate de toda a informação. Cada nó da rede tem a mesma cópia da cadeia de blocos, a qual é atualizada automaticamente. Tanto os sistemas distribuídos como os descentralizados funcionam sem uma entidade central que controle tudo. No entanto, num sistema distribuído, cada nó pode tomar decisões, enquanto num sistema descentralizado, as decisões são tomadas na totalidade.
  • Consenso: cada blockchain tem um conjunto de regras que todos os membros da rede devem seguir. Isto garante que todas as transações são válidas e acordadas pela maioria dos participantes na rede. Atualmente, existem dois consensos principais: Proof of Work (PoW) e Proof of Stake (PoS).
  • Privacidade: numa blockchain pública, todas as transações e operações na rede podem ser lidas por qualquer pessoa. Isto proporciona transparência e permite a qualquer pessoa verificar a validade das transações.
  • Imutabilidade: a tecnologia da blockchain é, em geral, incorruptível. Quando uma transação é adicionada à cadeia de blocos, não pode ser modificada ou eliminada. Isto proporciona um registo de dados permanente e inalterável de todas as transações que têm lugar nessa rede.
  • Segurança: a blockchain proporciona maior resiliência, segurança, estabilidade e privacidade às transações de dados. Devido à sua estrutura e à criptografia utilizada, a cadeia de blocos é altamente resistente a ataques e manipulações.
  • Registos distribuídos: as transações são registadas nos computadores de todos os participantes na cadeia, incluindo dados como o montante, a data, a transação e os participantes. Isto proporciona um elevado nível de transparência e permite que todos os participantes tenham uma visão completa de todas as transações.
  • Contratos inteligentes: o envio, as ações e as transações não exigem que os intermediários validem manualmente ou garantam a conformidade. São executados quando as condições acordadas em cada contrato são cumpridas. Isto acelera o processo de realização de transações e contratos tradicionais, tornando-os mais seguros, mais rápidos e mais transparentes.

Por que é que se chama cadeia de blocos?

O nome “cadeia de blocos” deve-se ao facto de as folhas do livro serem antes “blocos” de informação encadeados sequencialmente entre cada bloco, do início ao fim, formando a referida cadeia. O elemento encarregado de os manter interligados é a criptografia, que por sua vez permite a imutabilidade da informação contida, algo que pode ou não ser o caso, uma vez que, por exemplo, pode ou não ser permitida a sua troca, como as criptomoedas.

Tipos de blockchain

A tecnologia blockchain pode ser classificada de diferentes formas. Para compreender os principais fundamentos, vamos categorizá-los conforme o acesso aos dados e as permissões concedidas aos utilizadores. Estas categorias oferecem soluções adaptadas a diferentes necessidades e contextos.

Em função do acesso aos dados

Podemos identificar três tipos principais de blockchain:

  • Blockchain pública: acessível a qualquer utilizador no mundo que tenha uma ligação à Internet através de um computador ou telemóvel. Todas as transações e operações na rede são públicas e podem ser lidas por qualquer pessoa. É o tipo mais comum e o mais utilizado no sector das criptomoedas. Exemplos disso são a Bitcoin e a Ethereum.
  • Blockchain privada: estas blockchains não estão abertas ao público, mas requerem um convite para poderem efetuar transações através delas. O acesso é limitado a utilizadores específicos. São normalmente utilizadas em ambientes empresariais para melhorar a gestão de dados e os processos de controlo nas suas operações diárias. Exemplos disso são a Walmart e a British Airways.
  • Blockchain híbrida: resulta da combinação de blockchains privadas e públicas. Estas redes aplicam a tecnologia de uma cadeia de blocos privada, mas armazenam o hash dos blocos numa cadeia de blocos pública. São frequentemente utilizadas por entidades governamentais para identidades digitais, cadeias de hospitais e empresas, como a BigchainDB e a Evernym.

Dependendo da autorização

As blockchains dividem-se em autorizadas ou não:

Blockchain com autorização: Apenas alguns utilizadores têm autorização para criar blocos e processar transações. A blockchain com autorização exige que os participantes recebam permissão para participar. Estas cadeias de blocos são normalmente utilizadas em ambientes privados, como uma organização ou empresa.

Blockchain sem autorização: Qualquer utilizador pode criar blocos e processar transações. A blockchain sem autorização permite que qualquer pessoa participe no sistema. Exemplos de blockchains sem autorização são a Bitcoin, a BNB Chain e a Ethereum.

Como funciona a Blockchain?

A blockchain funciona através de uma rede de nós, que são dispositivos (como computadores, telemóveis, etc.) que se ligam à rede e contribuem para o seu funcionamento. Cada nó tem uma cópia da base de dados, as quais são constantemente atualizadas com as novas transações que ocorrem na rede. Para uma transação ser válida, tem de ser verificada pela maioria dos nós, seguindo um mecanismo de consenso que impede a fraude e a dupla despesa.

Uma vez verificada, a transação é adicionada a um bloco, que é fechada e disseminada por toda a rede. Desta forma, é criado um registo público e partilhado de todas as transações que tiveram lugar na cadeia de blocos.

Para ilustrar isto com um exemplo, consideremos o caso das criptomoedas. Suponhamos que queremos enviar 1 bitcoin a outro utilizador.

como funciona a blockchain
  1. O utilizador A introduz o endereço da carteira do utilizador B e o montante de criptomoedas que pretende enviar ao utilizador B.
  2. O utilizador A assina a transação com a sua chave privada e envia-a para a rede blockchain.
  3. Os nós da rede validam a transação e adicionam-na a um novo bloco.
  4. O novo bloco junta-se à cadeia de blocos e é propagado a todos os nós da rede.
  5. O utilizador B recebe o dinheiro na sua carteira e pode verificar a transação num navegador da cadeia de blocos.
  6. O utilizador A e o utilizador B podem verificar o histórico das suas transações e o saldo das suas carteiras em qualquer altura.
  7. O utilizador A e o utilizador B podem enviar e receber mais dinheiro a outros utilizadores na rede blockchain, seguindo os mesmos passos.

A tecnologia blockchain utiliza vários tipos de algoritmos para chegar a um consenso. Estes podem validar blocos através da extração mineira com poder computacional e hardware, ou através do bloqueio de criptomoedas num contrato inteligente para proteger a rede. Os validadores confirmam as transacções e recebem uma comissão por isso.

O Bitcoin, por exemplo, utiliza o algoritmo SHA-256 (Secure Hash Algorithm 256-bit). Este algoritmo de hash é utilizado para garantir a segurança das transacções. Cada bloco da cadeia tem um “hash único” ou “identificador único” gerado pelo SHA-256, que garante a integridade da informação armazenada. Esta informação é verificada pelos outros mineiros da rede para garantir que é real, honesta e verdadeira.

Os mineiros de blockchain resolvem problemas matemáticos complexos para adicionar um novo bloco à cadeia. No caso do Bitcoin, utilizam o algoritmo SHA-256 para encontrar um valor chamado “nonce”. Quando esse valor é combinado com outros dados no bloco, ele produz um hash que atende a determinados requisitos. Este processo, conhecido como Proof of Work (PoW), garante a segurança e a descentralização da rede.

Os mineiros são participantes da rede que competem para resolver o problema matemático e adicionar um novo bloco. Como recompensa pelos os seus esforços, recebem novas criptomoedas, juntamente com as taxas de transação. A concorrência entre os mineiros garante a validade das transacções e a integridade da cadeia de blocos. Desta forma, a rede é protegida pelos próprios mineiros, que estão espalhados por todo o mundo.

Como visualizar um contrato ou uma transação na blockchain?

Continuemos com o exemplo anterior da transferência de criptomoedas do utilizador A para o utilizador B. Para isso, vamos utilizar uma ferramenta que nos permite observar a transação entre as duas contas. É importante lembrar que, ao analisar as transacções, não sabemos quem são os participantes da transação, a menos que saibamos a identidade de um deles. Por exemplo, se uma das contas for sua e a outra pertencer a alguém que você verificou, então você pode saber a identidade. Por este motivo, a blockchain proporciona anonimato, mas não privacidade total.

Passo 1

Se estiver interessado em ver as transacções que estão a ocorrer na rede Bitcoin, pode fazê-lo visitando o seguinte endereço web da blockchair (sim, com um “R” no fim, não está mal escrito).

passo 1: blockchair

Passo 2

No menu superior, seleccione “Exploradores” (caixa vermelha).

passo 2: blockchair

Passo 3

No menu, escolha a blockchain que deseja analisar. Neste caso, seleccionaremos a primeira opção, que é o “Bitcoin”.

bitcoin - blockchair

Passo 4

Deslize para baixo até ver os blocos e transacções mais recentes, como mostra a imagem, e seleccione a opção “Explorar blocos” (caixa vermelha).

explorar blocos - blockchair

Passo 5

Tem a possibilidade de editar as informações visíveis, no menu da esquerda, à medida que os campos da tabela são apresentados. Nesta secção central, são apresentados os blocos mais recentes que foram construídos, cada um com a sua respectiva informação de transação. Vamos examinar o bloco mais recente minerado até o momento da redação deste artigo, que é o bloco número 818.897.

bloco bitcoin

Passo 6

Quando introduzirmos o número do bloco, veremos imediatamente o hash dessa transação (caixa vermelha). Como já foi referido, este hash é um número único que nos permite ver toda a informação geral que contém, incluindo o número total de transações.

bloco bitcoin

Passo 7

Se percorrermos a página para baixo, podemos ver as transações que foram validadas pelos mineiros. Se clicarmos no hash de uma das transações mais recentes incluídas no bloco, podemos aceder aos detalhes dessa transação.

transações incluídas no bloco do bitcoin

Passo 8

Neste caso, podemos apreciar uma caraterística única da rede Bitcoin. A presença aparente de dois destinatários num hash de transação Bitcoin deve-se à inclusão de um endereço de troca. Este endereço é utilizado para gerir de forma eficiente e segura os fundos não utilizados. Este tópico abre a porta para outro artigo no qual UTXOs, endereços de troca e outras especificações técnicas poderiam ser discutidas.

Transação Bitcoin

Passo 9

“Não confie, verifique” é um lema proeminente no mundo das criptomoedas. Por isso, animamos a comparar este mesmo hash de transação noutros exploradores de blocos, tais como:

  • BTC.com
btc.com
  • Blockchain.com
blockchain.com

Existem inúmeras alternativas de exploradores de blocos disponíveis na Internet. Em última análise, a chave é compreender como funcionam para que possa selecionar a opção que é visualmente e funcionalmente mais apelativa e útil para si.

Compreender a blockchain e as suas variantes

A blockchain é um tipo de tecnologia de registo distribuído (DLT). Este termo engloba várias tecnologias, incluindo a blockchain, que partilham a caraterística de descentralizar e distribuir o registo de dados.

A blockchain como forma de DLT

A blockchain organiza os dados em blocos que são encadeados de forma sequencial e segura. Cada bloco contém um conjunto de transacções e um hash que o liga ao bloco anterior, criando assim uma cadeia imutável.

Diversidade de DLTs

Existem outras formas de DLTs para além da blockchain. Um exemplo é o Directed Acyclic Graph (DAG), que elimina a necessidade de blocos. O Hedera Hashgraph é um exemplo disso. Outra variante é o Tangle, usado em tecnologias como a IOTA.

Muitas vezes, todas as tecnologias utilizadas nas criptomoedas são referidas como “blockchain“, mas, na realidade, todas as tecnologias utilizadas nas criptomoedas são DLT, e não apenas a cadeia de blocos, uma vez que existem outras tecnologias diferentes.

Tipos de provas nas blockchains

Para compreender melhor as blockchains, vamos especificar diferentes tipos de provas que utilizam cadeias de blocos como a Bitcoin, a Ethereum, a Kovan Testnet e a Solana.

Proof of Work (PoW)

O Proof of Work (PoW) é um mecanismo de consenso que garante a segurança da rede blockchain através do poder bruto dos dispositivos de hardware. Os dispositivos de mineração devem resolver cálculos matemáticos complexos para confirmar as transacções na rede. Este protocolo faz com que seja muito dispendioso fazer batota, mas lucrativo se agir honestamente.

É conhecido como um processo que consome muita energia, fornece alta segurança, mas tem escalabilidade limitada.

Exemplos de blockchains que utilizam PoW incluem Bitcoin, Litecoin e Zcash.

Proof of Stake (PoS)

O Proof of Stake (PoS) é o mecanismo de consenso utilizado na maioria das criptomoedas. Ao contrário do Proof of Work (PoW), que requer uma grande quantidade de energia para validar transacções, o PoS é um método mais eficiente e sustentável.

Neste sistema, os participantes, conhecidos como validadores, “apostam” ou “estacam” uma determinada quantia das suas criptomoedas na rede, actuando como uma espécie de garantia ou depósito. Os validadores são seleccionados aleatoriamente para criar e confirmar blocos na rede.

Exemplos de blockchains que utilizam PoS incluem Ethereum, Binance Coin e Polkadot.

Proof of Authority (PoA)

O Proof of Authority (PoA) é um protocolo de consenso concebido para redes de blockchains privadas, onde existe um elevado nível de confiança entre os participantes. Ao contrário de outros mecanismos, o PoA não requer a resolução de problemas complexos, como no Proof of Work (PoW), nem a detenção de criptomoedas em “jogo”, como no Proof of Stake (PoS).

No PoA, a validação da transação é da responsabilidade de entidades de confiança que foram previamente autorizadas, conhecidas como validadores. Estes validadores são seleccionados pela sua reputação e espera-se que ajam honestamente, uma vez que a sua identidade está em jogo. Esta abordagem oferece eficiência e escalabilidade, tornando-a ideal para aplicações empresariais e consórcios.

Existem várias blockchains que implementam PoA, incluindo Ethereum Clique, GoChain e redes de prova de participação como Kovan. Este protocolo destaca-se pela sua simplicidade e rapidez, mas o seu sucesso depende da confiança nos validadores seleccionados, o que centraliza todo o mecanismo.

Um exemplo de uma blockchain que utiliza PoA é a rede Ethereum Clique e redes de prova como a Kovan.

Proof of History (PoH)

O Proof of History (PoH) é um algoritmo revolucionário de registo de data e hora da blockchain que visa otimizar a eficiência do consenso. Utiliza uma função criptográfica conhecida como Função de Atraso Verificável (VDF) para gerar registos de data e hora para cada bloco na cadeia de blocos.

Ao contrário de outros protocolos, o PoH não se concentra na validação de transações, mas no estabelecimento da ordem cronológica dos eventos. Esta abordagem alivia a carga de trabalho dos nós, evitando a repetição de processos de consenso complexos para confirmar a sequência temporal.

As blockchains que utilizam PoH actuam como um notário temporal, fornecendo um selo temporal fiável para cada transação. Este registo histórico melhora a segurança e a integridade da cadeia de blocos, facilitando a verificação de eventos passados. Além disso, ao separar o carimbo de data/hora do consenso, consegue-se uma maior eficiência na validação das transacções, acelerando o desempenho da rede.

Existem algumas implementações em projectos como o Solana, em que este algoritmo é combinado com outros mecanismos de consenso para fornecer uma plataforma de elevado desempenho.

Marco histórico na blockain: A fusão: o exemplo da Ethereum

“The Merge” é o termo utilizado para descrever a transição completa do Ethereum para o seu sistema de consenso de Proof of Work (PoW) para Proof of Stake (PoS). Esta mudança teve lugar em 15 de setembro de 2022. Desde a sua criação, o Ethereum tem utilizado o PoW, mas este foi fundido com a sua nova camada de consenso PoS, conhecida como “Beacon Chain”. Este facto eliminou a necessidade de mineração e permitiu que a rede fosse protegida através da utilização de ETH em staking.

Inicialmente, a Beacon Chain foi lançada independentemente da rede principal. A rede principal do Ethereum, com todas as suas contas, saldos, contratos inteligentes e estado da cadeia de blocos, continuou a ser protegida pelo mecanismo PoW, enquanto a Beacon Chain funcionava em paralelo utilizando o PoS.

O evento conhecido como “a fusão” ocorreu quando esses dois sistemas finalmente se fundiram, e o PoW foi permanentemente substituído pelo PoS. Isto marcou a mudança oficial para a Cadeia Beacon como o motor de produção de blocos.

Porque é que esta mudança é tão importante? Imagine mudar o motor de um carro de F1 no meio de uma corrida sem o parar. Sem dúvida, um marco significativo

Aplicações da blockchain

A tecnologia Blockchain revolucionou o mundo digital com a sua capacidade de oferecer transparência, segurança e descentralização. Embora inicialmente associada às criptomoedas como a sua principal utilidade, a sua aplicação estendeu-se a numerosos sectores. Neste artigo, vamos explorar algumas das aplicações mais comuns da blockchain.

Criptomoedas (Bitcoin e Ethereum)

As criptomoedas são, sem dúvida, a aplicação mais conhecida da tecnologia blockchain. O Bitcoin, a primeira criptomoeda, foi criada em 2009 por uma entidade desconhecida sob o pseudónimo Satoshi Nakamoto. Utiliza a blockchain como um livro-razão público para registar todas as transacções na rede Bitcoin de forma segura e transparente. A moeda nativa da rede é a bitcoin (BTC).

O Ethereum, por outro lado, é uma plataforma de blockchain de código aberto que foi lançada em 2015. Para além da sua criptomoeda nativa, Ether (ETH), a Ethereum é conhecida por introduzir o conceito de contratos inteligentes na cadeia de blocos, que são programas que são executados automaticamente quando determinadas condições são cumpridas, eliminando a necessidade de intermediários.

Leia ainda 👉 trading com criptomoedas

Seja o que for, a blockchain terá de ter várias cópias. Existem milhares de cópias semelhantes detidas por outros utilizadores da mesma criptomoeda – como o Bitcoin – ou plataforma em diferentes partes do mundo. Estes milhares de utilizadores devem ter dados/cópias semelhantes.

Cada utilizador que possui uma cópia – nós – tem de acordar com os outros utilizadores que a possuem a inclusão de novas transacções ou dados, a fim de alcançar um grau de validade e manter os dados no livro-razão uniformes entre as diferentes versões.

Finanças descentralizadas (DeFi)

As finanças descentralizadas, ou DeFi, é um termo que se refere à utilização da tecnologia de blockchains para eliminar intermediários financeiros, como bancos e corretoras de bolsa. A DeFi utiliza contratos inteligentes em cadeias de blocos para criar protocolos financeiros transparentes e abertos.

As aplicações DeFi permitem aos utilizadores emprestar ou pedir emprestado fundos, ganhar juros sobre as poupanças e transacionar com taxas de juro definidas por algoritmos em vez de bancos. Exemplos populares de aplicações DeFi incluem MakerDAO, Compound e Uniswap.

Smart Contracts

Os contratos inteligentes são programas autónomos que são executados na exchange quando determinadas condições predefinidas são cumpridas. Foram popularizados pela Ethereum, mas são atualmente utilizados em muitas outras cadeias de blocos.

Os smart contracts têm uma vasta gama de aplicações, desde a criação de tokens até à execução de transacções complexas na cadeia de blocos. São fundamentais para muitas aplicações da blockchain, incluindo a DeFi, as ofertas iniciais de moedas (ICO) e as organizações autónomas descentralizadas (DAO).

A tecnologia de blockchain tem um enorme potencial e a sua aplicação vai para além das criptomoedas. Com a sua capacidade de proporcionar transparência, segurança e descentralização, a cadeia de blocos está a transformar numerosos sectores e a mudar a forma como interagimos com o mundo digital.

Tokens não fungíveis (NFT)

Os Tokens Não Fungíveis (NFTs) são uma aplicação única da tecnologia blockchain que permite a criação de activos digitais únicos. Ao contrário das criptomoedas como o Bitcoin ou o Ethereum, que são fungíveis e podem ser trocadas entre si, cada NFT é único e não pode ser substituído por outro. Os NFT são principalmente utilizados no mundo da arte digital, onde permitem aos artistas tokenizar as suas obras de arte e vendê-las diretamente aos coleccionadores.

Armazenamento na nuvem

A tecnologia blockchain também está a ser utilizada para revolucionar o armazenamento na nuvem. Projectos como o Arweave, o Filecoin e o Storj utilizam a blockchain para criar redes de armazenamento descentralizadas. Em vez de dependerem de um único fornecedor de armazenamento na nuvem, os utilizadores podem armazenar os seus dados em vários nós em todo o mundo, aumentando a segurança e a resistência a falhas.

Identidades digitais

A blockchain pode fornecer uma solução segura e descentralizada para a gestão da identidade digital. Projectos como o TrustID, o uPort e o Civic utilizam a blockchain para permitir aos utilizadores criar e gerir as suas próprias identidades digitais. Isto pode ajudar a reduzir a fraude e melhorar a privacidade dos utilizadores.

Internet das coisas (IoT)

A Internet das Coisas (IoT) refere-se à rede de dispositivos físicos ligados à Internet que recolhem e partilham dados. A blockchain pode melhorar a segurança e a eficiência destas redes, fornecendo um registo imutável e transparente das interacções entre dispositivos. Projectos como a IOTA estão a explorar a utilização da cadeia de blocos na IoT.

Saúde e cuidados de saúde

Por último, a blockchain tem um grande potencial no sector da saúde e dos cuidados de saúde. Pode melhorar a segurança e a eficiência dos registos médicos electrónicos, permitir a rastreabilidade dos medicamentos na cadeia de abastecimento e facilitar a investigação médica. Projectos como o MediLedger e o Patientory estão a explorar estas aplicações.

Existem muitas outras aplicações, tais como:

  • Registo de propriedade
  • Patentes
  • Votação eletrónica
  • Governação eleitoral.

Em suma, a tecnologia de blockchain tem uma vasta gama de aplicações para além das criptomoedas. A sua capacidade de proporcionar transparência, segurança e descentralização está a transformar numerosos sectores e a mudar a forma como interagimos com o mundo digital.

A blockchain é a chave para o futuro da humanidade? A opinião de Roberto Sanz

Imagine um mundo onde a confiança é inata, a transparência é a norma e a eficiência é a regra, não a exceção. Esta é a promessa que a tecnologia blockchain traz consigo. Mas será que ela é realmente a chave para o futuro da humanidade? Na minha opinião, a resposta é um retumbante sim. Deixem-me dizer-vos alguns pontos relevantes para desafiar a vossa perceção.

Benefícios da utilização da blockchain

A blockchain, na sua essência, é um livro-razão digital descentralizado que regista as transacções de forma segura e transparente. Este facto tem várias implicações positivas.

  • Transparência e segurança: no coração da blockchain está a promessa de transparência e segurança. Cada transação é como uma impressão digital, única e impossível de falsificar. A confiança já não é um luxo, mas um dado adquirido.
  • Eficiência e rapidez: a blockchain é como um feixe de luz, eliminando a burocracia e acelerando as transacções a uma velocidade vertiginosa. Os intermediários são uma coisa do passado; a eficiência é o futuro.
  • Inclusão financeira: a blockchain é um farol de esperança para aqueles que foram excluídos do sistema financeiro. É uma porta aberta para a oportunidade económica, especialmente nos países em desenvolvimento.

Desafios a enfrentar

Apesar dos seus benefícios, a adoção da blockchain tem o seu próprio conjunto de desafios.

  • Escala e desempenho: à medida que a rede cresce, também crescem os desafios. Mas estes não são obstáculos intransponíveis, mas sim oportunidades para inovar e melhorar.
  • Regulação e conformidade: a regulação é um desafio, mas é também uma oportunidade para demonstrar que a cadeia de blocos pode funcionar dentro das regras e continuar a ser revolucionária.
  • Adoção e compreensão: a blockchain pode parecer complexa, mas a sua beleza reside na sua simplicidade. Educar as pessoas sobre como funciona e os seus benefícios é fundamental para a sua adoção em larga escala.

Em suma, a blockchain não é apenas uma chave para o futuro da humanidade; é a chave de ouro que abre um mundo de possibilidades ilimitadas.

A blockchain é mais do que a chave para o futuro, é o próprio futuro.

FAQs

Blockchain e bitcoin são a mesma coisa?

Não, não são. Embora estejam intimamente relacionados, Blockchain e Bitcoin são dois conceitos distintos, mas conectados. Blockchain é uma tecnologia que permite registar transações de forma segura e transparente. É como um livro de registo digital descentralizado. Por outro lado, a Bitcoin é uma criptomoeda, um tipo de moeda digital, que foi a primeira aplicação bem-sucedida da tecnologia Blockchain. Assim, embora a Bitcoin não existisse sem a Blockchain, esta tem muitas outras utilizações para além da Bitcoin.

O que é a carteira blockchain?

Uma carteira blockchain, também conhecida como carteira de criptomoedas, é uma aplicação que permite aos utilizadores gerir, proteger e utilizar as suas criptomoedas de forma segura. As carteiras Blockchain armazenam as chaves públicas e privadas que são utilizadas para receber ou gastar criptomoedas. As carteiras podem ser software (web, telemóvel, computador) ou hardware.

Para que serve a criptografia?

Se fosse um livro propriamente dito, a função da tinta no livro seria cumprida pela criptografia, sendo todas as informações e mensagens contidas no livro cifradas, garantindo assim a autenticidade das informações e impedindo o acesso e a leitura não autorizados das informações. O livro também não pode ser pirateado, apagado ou modificado.

O que é a imutabilidade da blockchain?

A imutabilidade é uma das propriedades que se aplica à blockchain, sendo, neste caso, a capacidade de os dados registados na cadeia de blocos não serem apagados ou modificados a partir do registo em que aparecem.

Em que outras situações é utilizada a blockchain?

As transações podem ser utilizadas para outros tipos de validação de autenticidade, como contratos inteligentes, documentos ou diferentes tipos de mensagens, criptomoedas, sistemas de pagamento, cadeias de abastecimento, aplicações descentralizadas (Dapps), comércio digital ou entretenimento.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Manual de Criptomoedas

Este e-book irá ajudá-lo a aprender o que precisa de saber para começar a compreender o que são e como funcionam as criptomoedas:

  • Noções básicas de criptomoedas
  • Como começar a investir em criptomoedas
  • Dicas sobre como fazer tudo isto em segurança

Artigos Relacionados

A máxima do trading sempre foi a mesma: obter uma estratégia vencedora e aplicá-la consistentemente, sem sair dela. Portanto, nesta guia de trading com ChatGPT, a primeira ideia – conseguir uma estratégia ve...
“Investir em ouro para se proteger da inflação”. Certamente todos já ouviram esta frase pelo menos uma vez quando se ...