Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

DeFI: o que é e como funciona?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Consent(Obrigatório)

A sigla “DeFi” refere-se ao termo “finanças descentralizadas”. Trata-se de um novo esquema organizativo do sistema financeiro baseado em protocolos compostos por códigos que executam ações automaticamente, sem a necessidade de intermediários entre as partes.

O que é DeFi?

Os protocolos DeFi automatizam funções por meio do uso de redes blockchain e contratos inteligentes. Esses contratos são conjuntos de códigos que executam ações automaticamente quando as condições acordadas entre as partes são cumpridas antecipadamente.

Por exemplo, numa plataforma DeFi, um contrato inteligente pode determinar a liberação de fundos depositados como garantia assim que um empréstimo for totalmente pago.

Devido às suas características e forma de operação, os protocolos DeFi são considerados por muitos como uma alternativa descentralizada ao sistema financeiro tradicional. Neles, não há mais instituições que aprovam ou rejeitam operações, mas sim um software que permite executá-las apenas se os requisitos forem atendidos.

Os protocolos DeFi são construídos numa rede blockchain. O mais utilizado nesse campo é a Ethereum, pois a suas características são mais adequadas para esse tipo de desenvolvimento.

A EVM (Ethereum Virtual Machine) é o “motor” que impulsiona o funcionamento de todos os aplicativos projetados para interagir com essa rede. É como uma CPU capaz de resolver diversos tipos de equações matemáticas complexas.

No entanto, outras redes compatíveis com a EVM também podem ser usadas no DeFi, além da Ethereum.

Estamos a falar de casos como Polygon, BNB Chain, Optimism, Avalanche, Tron e Fantom, entre muitos outros.

Deixamos alguns artigos interessantes:

👉 Ethereum: o que é?

👉 O que é Blockchain?

Quando as DeFi surgiram?

As DeFi surgiram como conceito em 2017, embora se baseiem em ferramentas que já existiam anteriormente, como stablecoins, redes blockchain, carteiras de criptomoedas e contratos inteligentes. A criação do Ethereum em 2015 pode ser considerada um passo fundamental para o surgimento posterior dos protocolos DeFi.

Os primeiros projetos DeFi a surgir foram o BitUSD e o NuBits, as primeiras stablecoins, e plataformas como o EtherDelta e o MakerDAO. Atualmente, as DeFi têm um valor total bloqueado (TVL) de USD 50.000 milhões. De acordo com dados do site defillama.com, quase 60% desses fundos estão depositados na rede Ethereum, seguida pela Tron (10,6%) e pela BNB Chain (9,9%).

O TVL nos protocolos DeFi está relacionado à cotação das criptomoedas.

Como as DeFi funcionam?

Como mencionado anteriormente, os contratos inteligentes são fundamentais para o funcionamento das finanças descentralizadas. Eles são peças de código programáveis e autoexecutáveis sob condições específicas.

As redes blockchain permitem não apenas a criação desses protocolos, mas também o registo de tudo o que acontece neles. Por isso, são plataformas transparentes e os dados nelas são imutáveis.

Outro aspecto importante dos protocolos DeFi é que eles sejam de código aberto. Aqueles que possuem essa característica são considerados mais confiáveis, pois exibem seu código para todos os usuários que desejam inspecioná-lo, auditar e testá-lo. Isso aumenta a probabilidade de encontrar possíveis falhas e, assim, fortalece a segurança das DeFi.

Que tipos de aplicativos DeFi existem?

Os aplicativos DeFi podem ser classificados conforme a sua função da seguinte forma:

  • Exchanges descentralizadas: plataformas para comprar e vender criptomoedas sem um intermediário centralizado, como as exchanges tradicionais.
  • Plataformas de empréstimo, investimento e CDP (Colateralized Debt Position) ou posições de dívida colateralizada (mecanismo utilizado para emitir stablecoins).
  • Pools de liquidez: neles, os utilizadores podem depositar as suas criptomoedas para fornecer liquidez a outros protocolos e obter juros em troca.
  • Mercados preditivos: são protocolos que usam contratos inteligentes para que os utilizadores “apostem” em eventos futuros, como o preço de um ativo, eleições, competições ou até mesmo loterias, como no PoolTogether.
  • Oráculos: os oráculos fornecem informações do mundo externo às DeFi e permitem determinar se as condições acordadas num contrato inteligente são cumpridas. Por exemplo, eles fornecem o preço das criptomoedas e a cotação das moedas, entre outros dados.

O PoolTogether é um protocolo DeFi que permite participar de uma loteria sem perdas para os utilizadores.

O que é DeFi no trading?

No campo do trading, as DeFi permitem a criação de exchanges descentralizadas, também conhecidas como DEX (Decentralized Exchanges). As mais conhecidas são Uniswap e Curve para o Ethereum, e PancakeSwap para a BNB chain.

Os DEX funcionam semelhantemente às exchanges tradicionais, no sentido de permitir a troca de criptomoedas. No entanto, não há uma entidade centralizada que gerência as ordens de compra e venda. Em vez disso, dois utilizadores interagem por meio de um contrato inteligente e realizam as negociações seguindo os requisitos estabelecidos por ele.

Leia também 👉 Melhores exchanges de criptomoedas

O que é DeFi da Binance?

A Binance é uma das maiores exchanges de criptomoedas do mundo e também foi uma das participantes na criação da rede BNB Chain (anteriormente conhecida como Binance Smart Chain). Atualmente, é a segunda rede com maior valor no campo de DeFi, com mais de USD 5.190 milhões em TVL (10% de participação de mercado).

Na rede BNB Chain, os utilizadores podem utilizar diferentes protocolos DeFi, como os mencionados anteriormente. Os mais utilizados são PancakeSwap, Venus e Alpaca Finance, de acordo com dados do defillama.com.

Leia 👉 Análise da Binance

Quanto custa negociar numa DeFi?

O custo de utilizar uma plataforma DeFi pode variar dependendo da plataforma e da funcionalidade que ela oferece. Entre esses custos, podem estar incluídas taxas de transação, taxas de gás, custos de desenvolvimento e custos de manutenção.

As duas primeiras estão relacionadas aos pagamentos necessários para enviar transações por meio de um contrato inteligente ou de uma rede blockchain.

Como começar a investir em DeFi?

Se há uma clara deficiência das DeFi, é que geralmente não são fáceis de usar. Portanto, a primeira recomendação é se informar sobre o protocolo escolhido e aprender como usá-lo passo a passo.

O próximo passo será configurar uma wallet de criptomoedas e depositar nela as criptomoedas necessárias para as operações desejadas. É importante lembrar que, mesmo que as transações sejam feitas com stablecoins, por exemplo, é necessário ter saldo na criptomoeda nativa de uma rede (como ether, BNB ou MATIC) para pagar as taxas.

Por fim, chegará o momento de investir. Como mencionado, é altamente recomendável aprender bem como fazê-lo antes de começar. Além disso, é prudente começar com quantias não muito altas e aumentar gradualmente à medida que se familiariza com o funcionamento.

Leia 👉 Carteira fria vs Carteira quente: qual é a diferença?

É importante lembrar que os investimentos em DeFi são de alto risco. Certifique-se de realizar uma pesquisa detalhada e tomar decisões informadas antes de investir.

Quais tecnologias são utilizadas nas DeFi?

As DeFi são baseadas principalmente em tecnologias como:

  • Redes blockchain.
  • Criptomoedas.
  • Contratos inteligentes.
  • Oráculos.

Quais são as melhores DeFi para investir?

É difícil determinar quais protocolos DeFi são os melhores para investir. A resposta a essa pergunta está relacionada às necessidades do utilizador, seja para fazer staking, solicitar um empréstimo ou negociar futuros de criptomoedas.

Em qualquer caso, aspectos como os fundos depositados em uma DeFi podem ser um indício de qual plataforma é mais confiável no setor para cada caso. Por exemplo, esses são alguns dos protocolos mais utilizados em cada categoria:

  • Exchanges descentralizadas: Uniswap, Curve e PancakeSwap são as mais utilizadas.
  • Pools de staking: os pools de Lido, Coinbase e RocketPool são referências nessa categoria.
  • Empréstimos e investimentos: Aave, JustLend e Compound têm a maior quantidade de fundos depositados atualmente.
  • Pools de liquidez: Convex Finance, Aura e Coinwind estão entre os primeiros nessa categoria.
  • Mercados preditivos: Instadapp, BWatch, DefiSaver e PoolTogether são populares.

Como comprar criptomoedas DeFi?

Para comprar criptomoedas com as quais poderá operar em protocolos DeFi, existem várias alternativas. A primeira, e provavelmente a mais acessível, é adquiri-las em exchanges ou corretoras centralizadas. Muitas delas até aceitam pagamentos com moeda local, transferências bancárias e cartões de débito e crédito.

Pessoas que desejam operar em plataformas descentralizadas e sem a necessidade de se registar usando os seus dados pessoais podem recorrer ao comércio entre pares (Peer-to-Peer ou P2P). Isso é possível por meio de certas plataformas que oferecem essa possibilidade (como Paxful ou Binance P2P), com bots no Telegram (lnp2pbot permite comprar bitcoin de outra pessoa por meio do Telegram) ou até mesmo por meio de transações presenciais.

É importante destacar que essas últimas opções, embora permitam maior privacidade nas transações, também envolvem riscos maiores do que usar uma plataforma tradicional regulamentada.

DeFi é segura?

Existem protocolos DeFi que são considerados muito seguros e, por essa razão, são os que acumulam milhões de dólares em valores neles depositados. Exemplos são Uniswap, Aave, Lido, Curve e MakerDAO.

No entanto, esta reputação não significa que sejam infalíveis. É preciso ter em conta que o protocolo destas plataformas, que determina não só o seu funcionamento mas também a sua segurança, é escrito por humanos. Isto significa que, para além das auditorias e testes a que são sujeitas, podem falhar.

De facto, em 2021 e 2022, os protocolos DeFi foram alvo de hackers, que exploraram vulnerabilidades no seu código para roubar milhões de dólares em criptomoedas. Da mesma forma, as pontes que usam protocolos DeFi para enviar fundos entre redes também foram fortemente hackeadas em anos anteriores.

Quais são as vantagens de usar DeFi?

Existem várias vantagens em utilizar os protocolos de finanças descentralizadas, ou DeFi. A seguir, listamos alguns das principais:

  • Descentralização: isso significa não haver uma autoridade centralizada que controle o sistema. Essa característica proporciona maior segurança e transparência, uma vez que as transações são registadas numa cadeia de blocos pública e verificável.
  • Acessibilidade: as DeFi estão disponíveis para qualquer pessoa com acesso à internet, o que significa que pessoas que antes estavam excluídas do sistema financeiro tradicional devido a barreiras geográficas, económicas ou políticas agora têm a oportunidade de acessar serviços financeiros.
  • Transações rápidas e económicas: as transações em DeFi são processadas rapidamente e, em muitas das redes que as suportam, possuem taxas mais baixas do que as transações tradicionais.
  • Interoperabilidade: muitos protocolos DeFi são compatíveis entre si, o que significa que os utilizadores podem interagir com diferentes protocolos e aplicativos na mesma rede. Isso permite que os utilizadores realizem uma ampla gama de operações financeiras numa única rede.

Além disso, é importante mencionar a capacidade de inovação. As DeFi representam um campo em constante evolução, o que significa haver muitas oportunidades para inovação e desenvolvimento de novos produtos financeiros mais eficientes e rentáveis.

Quais são alguns dos riscos associados à DeFi?

O primeiro risco dos protocolos DeFi tem a ver com o mencionado acima: essas plataformas são suscetíveis a ataques cibernéticos. Quando isso acontece, alguns desenvolvedores conseguem compensar os utilizadores por suas perdas, mas outros não.

Outro factor importante está relacionado com a própria utilização destes protocolos. Pedir dinheiro emprestado, fazer um investimento ou depositar fundos num fundo comum de liquidez pode ser complexo para utilizadores inexperientes e existe o risco de cometer erros durante o processo. Por exemplo, ao pedir emprestado, é possível perder a garantia se o seu valor de mercado cair abaixo do mínimo estabelecido pelo contrato inteligente.

A volatilidade é também uma questão muito importante a considerar. Nos protocolos DeFi, é possível negociar as criptomoedas mais reconhecidas, como bitcoin, ether, BNB ou XRP, mas também está disponível inúmeros tokens de reputação duvidosa.

Nesses casos, o investimento do utilizador (numa pool de staking ou numa pool de liquidez, por exemplo) está em risco se o valor do token cair subitamente.

Qual é o risco de fazer staking na DeFi?

O staking em protocolos DeFi é uma prática onde os utilizadores bloqueiam as suas criptomoedas num contrato inteligente para obter retornos financeiros em troca. Embora possa ser uma forma atraente de gerar renda passiva, também apresenta alguns riscos.

Um dos principais riscos é a volatilidade dos preços das criptomoedas. Se o valor das criptomoedas deixadas em staking diminuir, o valor das recompensas em criptomoeda também diminuirá, o que pode resultar em perdas.

Além disso, existe o risco de os contratos inteligentes utilizados no staking DeFi serem vulneráveis a ciberataques ou erros de programação. De facto, em 2021 e 2022, muitos milhões de dólares foram perdidos devido a tais ataques.

Outro risco potencial é o risco de liquidez. Ao bloquear as suas criptomoedas numa rede de cadeias de blocos, os utilizadores podem ter dificuldade em aceder aos seus ativos em caso de necessidade financeira súbita. Nalguns casos, pode haver longos períodos de espera até poderem levantar as suas criptomoedas.

Qual é o futuro da DeFi?

A DeFi registou um rápido crescimento em termos de popularidade e adopção nos últimos anos, o que sugere um futuro encorajador para este novo modelo de serviços financeiros descentralizados.

É expetável que a DeFi continue a expandir-se à medida que são desenvolvidas novas aplicações e soluções. Questões como falhas de segurança, escalabilidade e interoperabilidade entre diferentes cadeias de blocos são questões que terão de ser abordadas como uma prioridade para um maior crescimento.

Webinar: o que é DeFi?

Para obter uma visão mais detalhada sobre as finanças descentralizadas (DeFi), recomendamos assistir ao seguinte vídeo:

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Artigos Relacionados

O açúcar é uma commodity agrícola essencial e a fibra natural mais utilizada em todo o mundo. A sua relevância na economia global é inegável, sendo um componente chave na indústria têxtil e um indicador infl...
No universo acelerado e complexo do trading, o conhecimento é a chave para o sucesso. Seja um trader iniciante ansios...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments