Taxa de desconto: o que é e como funciona?

taxa de desconto

Qual é a taxa de desconto e como é calculada? No mercado financeiro há muitos termos a tratar, e embora muitos deles sejam conceitos que normalmente vemos, não os conhecemos.

O que é a taxa de desconto?

A taxa de desconto é o que se chama um fator financeiro cuja finalidade é a de determinar o valor do dinheiro ao longo do tempo, para calcular o valor do capital futuro e/ou considerar projetos de investimento.

A taxa de desconto  (também chamada custo de capital), é uma medida financeira aplicada para conhecer o valor presente de um pagamento futuro. O valor presente de um futuro pagamento (VA)  é o valor nominal esperado de uma obrigação com prazo de vencimento determinado; a taxa de desconto é d; e VB é o valor presente reconhecido por uma pessoa ou entidade tomadora. A fórmula é a seguinte:

taxa de desconto

Ao realizar uma análise de um projeto de investimento, o montante do investimento (desembolso inicial a efectuar) e os fluxos de caixa anuais (que permite o retorno do investimento).

Para adquirir os fluxos de caixa futuros com o desembolso realizado atualmente e poder conhecer a diferença em relação ao lucro líquido ou valor atual líquido, há que calcular o valor atual, o valor atual de cada um dos fluxos; ou seja, atualizar ou descontar.

Fórmula de cálculo

O passo seguinte é dividir cada um dos fluxos pelo fator de atualização (1+i)^n, onde “n” é o número de anos que existem do ano atual e “i” é o terceiro dado básico necessário para o cálculo/análise.

Taxa de Desconto

A taxa de desconto, a taxa de juro que indica dinheiro futuro para dinheiro actual. Entre os métodos mais utilizados e de fácil utilização para calcular a rentabilidade dos projectos de investimento, a taxa de desconto é definida como a taxa correspondente ao custo dos recursos financeiros utilizados para realizar o investimento.

Tipos de recursos financeiros

  • Recursos próprios: as entradas de capital do investidor (capital)
  • Recursos externos: as entradas de capital dos credores (dívida, empréstimos bancários, etc.)

A fim de calcular o custo dos recursos totais, é necessário primeiro analisar a proporção que cada um destes recursos  no projecto e o seu custo.

Projeto financiado com fundos própios

Ao entrar num investimento, se injetarem o total dos fundos necessários e não dependerem de recursos externos, financiando o projecto com 100% dos seus próprios recursos, devemos esperar a rentabilidade desse investimento que deixariam de ganhar por não dispor dos fundos a outro investimento alternativo.

O retorno do investimento deve oferecer um lucro semelhante em relação à rendibilidade mais elevada que poderiam obter com os fundos próprios noutro investimento semelhante, que poderia ser de um prazo fixo, ou uma obrigação do Estado, ou outro investimento. É definido como um “custo de oportunidade“.

Projecto financiado com fundos próprios e de terceiros

Neste caso, financiam o investimento com recursos próprios, ou seja, os seus próprios fundos – e com recursos de terceiros- por meio de um empréstimo bancário. Por conseguinte, devem calcular o custo médio ponderado entre os recursos próprios e os recursos externos, o que significa o custo média de dois tipos de financiamento ponderado pelo volume de cada tipo de financiamento. Este é o “custo de capital” identificado com o Custo Médio Ponderado do Capital (CMPC) e Weighted Average Cost of Capital (WACC).

O cálculo Custo de Capital é composto por:

  • Calcular o custo dos recursos próprios e a influência sobre o financiamento total.
  • Calcular o custo da dívida e da influência sobre o financiamento de terceiros no financiamento total
  • Com base em ambos os cálculos, é calculado o Custo Médio Ponderado do Capital (CMPC)

Projeto financiado apenas por fundos de terceiros

Se não puderem contribuir com fundos próprios recursos e tiverem de os obter ou, em parte, através de um empréstimo bancário, financiando o projeto de investimento a 100% com recursos externos, a taxa de desconto corresponderá ao custo do empréstimo bancário; isto significa a taxa de juro mais os encargos bancários (TAEG). Sendo definido como o “custo da dívida“.

Após o cálculo do custo dos recursos financeiros, deve ser tida em conta a influência no valor da taxa de desconto. Trata-se do risco em cada um dos investimentos analisado e de referência, e a taxa de desconto deve ser incluída para que os fluxos de caixa dos projectos de investimento tenham similaridade.

Se o novo investimento analisado tiver um nível de risco mais elevado do que o investimento de referência, isto significa um maior requisito de rendibilidade para o novo investimento e um aumento da taxa de desconto. Uma solução é incluir um prémio de risco à taxa de desconto, de modo a que o prémio será maior quanto maior for o risco do projeto de investimento em comparação com o investimento ante o investimento a comparar sendo a fórmula:

Taxa de desconto = Retorno mínimo exigido + Diferencial pelo risco (ou custo dos recursos)

Componentes da taxa de desconto

O retorno mínimo exigido é igual ao custo dos recursos necessários para lucros futuros: ou seja, um retorno semelhante ao custo dos recursos utilizados; o custo do capital, sendo a média ponderada entre o custo de oportunidade e o custo da dívida.

O custo do capital

O custo de capital é o custo incorrido por uma empresa para financiar os projetos de investimento dos recursos financeiros que possui. Este elemento é fundamental para determinar o valor da empresa.

A sua fórmula é:

Ke (custo do capital)= Rf (taxa sem risco)+ BI (retorno de mercado)(Rm – Rf)-prémio da empresa

O custo de oportunidade

O custo de oportunidade, é quando um recurso é dedicado a uma determinada utilização, ou seja, este custo está ligado ao que um agente económico renuncia quando escolhe algo, pode também ser o custo de um investimento que não é feito, este é calculado a partir de um lucro que é esperado de acordo com os recursos investidos.

O Custo da Dívida

O custo da dívida é o custo de uma empresa para desenvolver a sua atividade ou projecto de investimento através de financiamento que pode ser com créditos, emissão de dívida ou empréstimos.

A sua fórmula é:

kD= i (1-t)

Em que i é a taxa de juro aplicada pelo financiamento obtido e t é a taxa de imposição.

A importância da taxa de desconto

Lembre-se que com a aplicação da taxa de desconto, é possível determinar se um projecto é ou não rentável. Um cálculo adequado desta taxa determina a rentabilidade da empresa uma vez que é calculado o valor actual de um capital futuro.

Ao calcular a taxa de desconto, não se esqueça de considerar variáveis tais como o tipo de fonte de financiamento, um retorno sem risco de acordo com a inflação e o crescimento ou declínio do PIB. Além disso, um prémio de risco relacionado com a rendibilidade do mercado a abranger e uma previsão da resposta do projecto de acordo com as variações do mercado..

Assim, se estiver a considerar um investimento dentro do cenário acima explicado, deve considerar cada um dos aspectos explicados para ter a rentabilidade pretendida sem perdas inesperadas.

0

Sobre o autor

Diana Costa

Content Manager in Portugal

 

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *