Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

TWR ou MWR? Como medir o desempenho da sua carteira?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

No mundo dos investimentos, a capacidade de medir e avaliar o desempenho de uma carteira é crucial para o sucesso a longo prazo. Não apenas permite aos investidores compreender o retorno sobre o seu capital, como também facilita a tomada de decisões informadas, possibilitando ajustes e otimizações conforme necessário. Ao longo do tempo, vários métodos foram desenvolvidos para avaliar o desempenho de investimentos. Entre os mais comuns e discutidos, encontram-se a TWR (Taxa de Retorno Ponderada no Tempo) e a MWR (Taxa de Retorno Ponderada Monetariamente).

Estas duas métricas, embora pareçam semelhantes à primeira vista, oferecem perspetivas distintas sobre o desempenho de uma carteira. A TWR foca-se no desempenho global dos ativos, independentemente das contribuições e levantamentos. Por outro lado, a MWR considera o momento e o montante das contribuições e levantamentos, proporcionando uma visão mais próxima da experiência real do investidor.

Neste artigo, iremos aprofundar-nos nestas duas métricas, desvendando as suas características, vantagens e limitações, e ajudando-o a determinar qual delas é a mais adequada para avaliar a sua carteira de investimentos.

O que é a TWR?

A TWR, ou Taxa de Retorno Ponderada no Tempo, é uma métrica financeira utilizada para avaliar o desempenho real de um investimento ao longo do tempo, independentemente das contribuições ou retiradas de capital. Esta métrica pondera o retorno em diferentes períodos temporais, permitindo que os investidores analisem o desempenho do fundo sem a distorção causada por entradas ou saídas de capital. Em termos simples, a TWR é utilizada quando se deseja entender o desempenho dos ativos de um fundo ou carteira, independentemente de quando foram adicionados ou retirados recursos.

👉 Estratégia de investimento a longo prazo

Vantagens:

Visão objetiva: Uma das principais vantagens da TWR é que ela fornece uma visão objetiva e clara do desempenho do fundo. Ao isolar a performance do ativo das contribuições e retiradas, os investidores podem realmente avaliar a eficácia da gestão do fundo.

Elimina distorções: Ao não levar em consideração o efeito do timing das contribuições e levantamentos, a TWR oferece uma métrica de desempenho que elimina distorções causadas por grandes entradas ou saídas de dinheiro. Isto é particularmente útil para fundos onde as contribuições e retiradas são frequentes.

Limitações:

Desempenho obtido: Uma das limitações da TWR é que ela pode não refletir o verdadeiro desempenho obtido pelo investidor. Se um investidor colocar uma grande quantidade de dinheiro imediatamentelogo antes de um período de baixo desempenho e retirá-lo imediatamente antes de um período de elevado desempenho, a TWR pode mostrar um retorno mais favorável do que a experiência real do investidor.

Sensibilidade: A TWR é menos sensível a grandes contribuições ou retiradas. Portanto, para investidores que fazem contribuições ou levantamentos significativos na sua carteira, a TWR pode não capturar o impacto total desses movimentos no desempenho geral.

O que é a MWR?

A MWR, ou Taxa de Retorno Ponderada Monetariamente, é uma métrica financeira que avalia o desempenho de um investimento, levando em consideração o timing e o montante das contribuições e retiradas. Ao contrário da TWR, que dá mais peso ao desempenho dos ativos ao longo do tempo, a MWR ajusta-se com base no fluxo de caixa. Portanto, a MWR é frequentemente utilizada para avaliar a experiência real do investidor, refletindo como e quando o dinheiro foi investido ou retirado.

👉 O que é o “Cash Flow”? O que tipos há?

Vantagens

Efeito do timing: A grande vantagem da MWR é que ela leva em consideração o efeito do timing das contribuições e levantamentos. Isso significa que a métrica pode refletir situações em que, por exemplo, grandes somas foram investidas pouco antes de um período de forte crescimento ou levantadas antes de uma queda.

Experiência real do investidor: Uma vez que considera as contribuições e levantamentos, a MWR oferece uma representação mais precisa da experiência real do investidor, capturando a interação entre o desempenho do fundo e as decisões de investimento do indivíduo.

Limitações:

Influência de decisões de timing: Uma limitação da MWR é que o seu resultado pode ser fortemente influenciado por decisões de timing que não necessariamente refletem o desempenho de investimento. Por exemplo, se um investidor fizer uma grande contribuição pouco antes de uma queda significativa do mercado, a MWR mostrará um desempenho pobre, mesmo que a estratégia de investimento seja satisfatória.

Complexidade: A MWR é, em geral, mais complexa para calcular do que a TWR. Isso porque requer o acompanhamento preciso de todas as entradas e saídas de capital e dos seus respetivos timings, tornando-a menos prática em algumas situações.  

Como escolher entre TWR e MWR?

A escolha entre TWR e MWR é fundamental para garantir que está a avaliar corretamente o desempenho dos seus investimentos. A métrica mais adequada dependerá da natureza dos seus investimentos, dos seus objetivos enquanto investidor, e do que pretende avaliar. Aqui estão algumas considerações a ter em mente:

Natureza dos seus investimentos

Ativos estáveis: Se a sua carteira for composta por ativos que têm um desempenho relativamente estável e previsível ao longo do tempo, a TWR pode ser suficiente, já que as entradas e saídas de capital terão um impacto menor na avaliação geral.

Ativos voláteis: Para investimentos mais voláteis, onde o timing das contribuições e levantamentos pode ter um impacto significativo no retorno geral, a MWR pode ser uma ferramenta mais apropriada.

Frequência e montantes das contribuições e levantamentos

Investimentos infrequentes: Se faz contribuições ou levantamentos de forma infrequente e em montantes semelhantes, a TWR pode dar-lhe uma boa noção do desempenho dos seus ativos.

Fluxos de caixa variáveis: Se, por outro lado, frequentemente adiciona ou retira montantes significativos da sua carteira, a MWR pode refletir melhor a sua experiência real de investimento, dado que leva em consideração o peso dessas movimentações.

Objetivo da avaliação

Análise do desempenho do fundo: Se o seu objetivo é avaliar o desempenho do gestor do fundo e entender como o fundo se comportou independentemente das suas decisões de investimento, a TWR é a métrica mais indicada.

Análise do desempenho do investidor: Se, contudo, pretende avaliar o impacto das suas próprias decisões de investimento — por exemplo, quando e quanto investir ou levantar — a MWR oferece uma visão mais precisa.

Em conclusão, enquanto a TWR fornece uma visão do desempenho “puro” do fundo, isolando-o das decisões de timing do investidor, a MWR reflete a interação entre o desempenho dos ativos e o timing das contribuições e levantamentos. A sua escolha entre as duas deverá ser informada pelo que pretende avaliar e pelas características específicas da sua carteira de investimentos.   

👉 Análise Fundamental: o que é e como funciona?

Ferramentas e métodos para calcular TWR e MWR

Calcular a TWR e a MWR manualmente pode ser uma tarefa complexa, especialmente se existirem muitos fluxos de caixa apara considerar. Felizmente, existem várias ferramentas e softwares disponíveis que podem ajudar a simplificar esse processo.

Softwares e plataformas recomendadas:

Microsoft Excel: Ambas as taxas, TWR e MWR, podem ser calculadas utilizando o Excel. A função =XIRR() é particularmente útil para calcular a MWR, enquanto a TWR pode ser calculada utilizando uma combinação de funções.

Google Sheets: Similar ao Excel, o Google Sheets também possui funções financeiras que facilitam o cálculo dessas métricas.

Plataformas de gestão de portefólio: Muitas plataformas, como ao Morningstar Direct, Bloomberg, ou softwares específicos de gestão de portefólios, oferecem ferramentas integradas para calcular e analisar tanto a TWR quanto a MWR.

Aplicações FinTech: Existem várias aplicações no mercado, como Personal Capital, Betterment, e Wealthfront, que não apenas ajudam a gerir a sua carteira, como também fornecem análises detalhadas de desempenho, incluindo TWR e MWR.

Exemplos práticos de cálculo

TWR no Excel: Suponha que pretende calcular a TWR para uma série de retornos mensais. Pode utilizar a função =GEOMEAN() para calcular a média geométrica dos retornos e, em seguida, subtrair 1 para obter a taxa composta.

MWR no Excel: Para calcular a MWR, listaria as suas contribuições e levantamentos, com as respetivas datas, e utilizaria a função =XIRR() para determinar a taxa interna de retorno.

Ao escolher uma ferramenta, é vital garantir que ela é adequada para as suas necessidades e que tem a capacidade de lidar com a complexidade da sua carteira. Seja utilizando softwares dedicados ou folhas de excel, o importante é ter clareza e precisão na análise do desempenho dos seus investimentos.      

Conclusão

Avaliar corretamente o desempenho de uma carteira de investimentos não é apenas uma questão de números, mas também de entender os mecanismos e métricas que estão por trás desses números. A TWR e a MWR são duas das métricas mais fundamentais neste contexto, cada uma oferecendo uma perspetiva única sobre o desempenho dos investimentos.

Compreender as diferenças entre TWR e MWR é crucial para qualquer investidor. Enquanto a TWR oferece uma visão despojada do desempenho dos ativos, eliminando o impacto das decisões de timing do investidor, a MWR incorpora o efeito dessas decisões, fornecendo uma imagem mais completa da experiência real do investidor.

A escolha entre TWR e MWR não deve ser feita de forma leviana. Depende fundamentalmente do que se pretende avaliar. Se o objetivo é analisar o desempenho e eficácia de um gestor de fundo, a TWR pode ser mais apropriada. No entanto, se o foco está em avaliar as decisões pessoais de investimento, a MWR ganha relevância.

Além disso, a natureza dos investimentos – seja em termos de volatilidade dos ativos ou frequência e montante das contribuições e levantamentos – também desempenha um papel crucial na decisão.

Em última análise, tanto a TWR quanto a MWR são ferramentas valiosas no arsenal de um investidor. A chave é saber quando e como utilizar cada uma delas para obter uma visão clara e precisa do desempenho da sua carteira.

Este artigo destina-se a para investidores capazes de tomar as suas decisões de investimento sem aconselhamento. Isto não é aconselhamento financeiro. Se se sentir inseguro em relação a qualquer decisão de investimento deverá procurar aconselhamento junto de um analista financeiro credenciado.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Está a procurar uma corretora para investir? Aqui estão algumas corretoras do mercado 👇
Comissões 0%
Ações e ETFs
Grande seleção
Ações, ETFs e opções de ações
Variedade de produtos
e plataformas
Várias plataformas
de negociação
   Esta informação não constitui uma sugestão de investimento e recomendamos que procure informação adicional antes de tomar qualquer decisão.

Artigos Relacionados

Charlie Munger, uma das lendas do mundo financeiro, faleceu. Investidor, empresário, vice-presidente da Berkshire Hat...