ETFs e Fundos de Investimento: qual é a diferença? - Rankia Portugal
Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

ETFs e Fundos de Investimento: qual é a diferença?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Investir no mercado financeiro  pode ser muito apelativo pelas inúmeras possibilidades que oferece de rentabilidade dos fundos, mas também pode ser particularmente assustador pela dimensão das ferramentas financeiras que existem, estratégias e a imensidão do jargão técnico. Por isso, a primeira coisa a fazer para quem começa a dar os primeiros passos neste sector passa por se ambientar com toda esta informação, até porque, após se familiarizar com o básico, tudo o resto se torna bastante mais simples e até intuitivo.

Uma das primeiras coisas a explorar para quem deseja começar a investir no mercado financeiro são os ativos onde o pode fazer. Existem vários disponíveis, como ações de empresas ou matérias-primas, mas os mais comuns serão, provavelmente, os fundos de investimento. Entretanto, nos últimos anos, os Exchange Traded Funds (conhecidos comummente pelas iniciais ETF) têm-se tornado numa tendência muito forte junto dos investidores de todo o mundo, atraindo cada vez mais empresários.

É muito comum que os fundos de investimento convencionais e os ETF acabem por ser colocados no mesmo saco, pelas semelhanças entre si, mas esse é um erro crasso. Para o ajudar nessa distinção, preparámos nas linhas seguintes tudo aquilo que precisa saber sobre as diferenças e as semelhantes entre uns e outros, para poder optar e decidir com conhecimento de causa.

O que é um Fundo de Investimento?

Comecemos então pela definição simples de um fundo de investimento convencional. Os fundos de investimento são assim um produto financeiro que, como é óbvio, tem como objectivo rentabilizar o dinheiro investido. O fundo pode ser constituído por diversos tipos de ativos sendo geridos por entidades financeiras, certificadas pela Comissão de Mercado de Valores Imobiliários (CMVM).

O fundo é dividido por quotas, as chamadas Unidades de Participação, que podem ser adquiridas por investidores independentes. É como o condomínio de um prédio: cada proprietário detém o seu andar, mas o todo é gerido pelo gestor de condomínio.

Os tipos de fundos de investimento

Existem Fundos de Investimento distintos e que se diferenciam das classes de ativos presentes nas carteiras. Vejamos, então, cada um dos fundos existentes.

  • A curto prazo: neste caso, o investimento recai em ativos de elevada liquidez, com uma rentabilidade bastante próxima do mercado de taxa de juro;
  • Obrigações: o investimento centra-se em obrigações de dívida pública ou obrigações emitidas por empresas
  • Ações: uma vez que o investimento é feito em ações, há um risco mais elevado, mas há também um maior potencial de rendibilidade
  • Alternativos: são bastante complexos, nomeadamente hedge funds e private equity, uma vez que há um grande grau de liberdade na fixação das regras de gestão
  • Multiativos: são fundos de investimento distribuídos simultaneamente em ações, obrigações e outros ativos;
  • PPR: uma preparação para a reforma e com um regime fiscal favorável

Custos associados aos Fundos de Investimento

Subscrever um fundo de investimento tem sempre custos associados ao seu investidor. As comissões variam de acordo com o tipo de fundo selecionado e incluem comissões de gestão, de subscrição e de resgate.

O que é um ETF?

Por sua vez, o ETF é ligeiramente diferente. Estes também são fundos de investimento, mas que procuram replicar um índice, seja este índice da bolsa de valores como o PSI20 ou o NASDAQ, sejam commodities (matérias-primas como o ouro ou o petróleo) ou moedas (como o dólar ou o euro). Assim como as ações, saiba que os ETF são negociados em bolsa. É por isso que os ETF também são comummente conhecidos como Fundos de Índice entre os investidores.

Uma vez que, geralmente, estão associados a um índice, os ETF são encarados como um investimento passivo, pois não têm alocados um gestor ativo na expectativa que o fundo tenha uma melhor performance. Existe, simplesmente, um sistema automático a garantir que o ETF tem uma performance similar ao índice.

Contudo, existem também ETF de gestão ativa, com o fundamento de alcançar uma performance acima dos índices do mercado. Isto quer dizer que, tal como num fundo de investimento tradicional (que analisaremos a seguir), a carteira de investimentos é escolhida pela gestora, apesar de continuarem a ser negociados em bolsa, como todos os ETF.

Os diferentes tipos de ETF

Com o propósito de diversificar a estratégia de investimento, existem vários tipos de ETF. Apresentamos, de seguida, os mais populares.

  • ETF de índice: o mais popular e comum, que procura reproduzir e acompanhar um índice, como o PSI-20
  • ETF temático: prende-se, tal como o nome indica, num tema específico, seja ele a saúde, tecnologia ou até mesmo a sustentabilidade, replicando o desempenho dos índices alocados ao tema escolhido
  • ETF de obrigações: estes, investem em índices com obrigações, sejam elas municipais, empresariais ou até mesmo governamentais
  • ETF de commodities: estes são estruturados para acompanhar o desempenho de commodities como o petróleo ou o ouro

Custos associados ao ETF

São várias as despesas com um investimento ETF, despesas essas que podem variar de acordo com a instituição financeira e merecem ser estudadas antes de aplicar o seu dinheiro.

Referimos, por exemplo, às comissões de negociação cobradas pela instituição financeira que coordena a compra e/ou venda do ETF. Estas podem ser fixas ou numa percentagem do valor negociado. Se, por sua vez, o ETF distribuir dividendos, também terá lugar o pagamento de uma comissão à instituição onde os títulos estão depositados.

Tenha presente que há também comissões pela guarda dos títulos, tal como acontece nas ações, que será necessário pagar à entidade que tem a sua conta, títulos e comissões de gestão.

Diferenças entre Fundos de investimento e ETFs

Já aqui vimos o que são fundos de investimento tradicionais e ETF e como podem ser muito parecidos entre si. No entanto, é nas diferenças que ambos se distinguem. Especialmente pela sua natureza e estratégia de investimento. Ou seja, enquanto os primeiros têm uma estratégia ativa, os segundos regem-se por uma estratégia passiva.

Quer isto dizer que a estratégia de um gestor de um fundo de investimento pode passar por vários caminhos. Afinal de contas, um fundo deste género tem vários rumos por onde seguirem, tendo em conta que a sua carteira de ativos é variada e o gestor pode optar por comprar ou vender ativos, à medida que isso se justifique. Por sua vez, os ETF limitam-se a adquirir ativos para o seu portfólio que replicam um índice, sendo uma estratégia de investimento a médio e longo prazo. Tem, por isso, uma liquidez mais baixa, mas como os riscos são mitigados as chances de sucesso são ligeiramente superiores.

Fundos de Investimento ETFs
Não são negociados em Bolsa São negociados em Bolsa
Gestão ativa Gestão passiva
Tendem a ter custos mais elevados Custos mais baixos

Como funcionam os impostos?

Em Portugal, qualquer rendimento obtido por fundos de investimento tradicionais ou ETF devem ser declarados no IRS. No entanto, estes dependem do tipo de fundo em causa. Por exemplo, se for um fundo de investimento sediado em Portugal, o imposto é retido na fonte no momento do resgate, com os ganhos a serem taxados a 28 por cento. Por sua vez, as operações de resgate e respetivas mais-valias não necessitam de ser declaradas.

Isto muda quando se trata de um fundo de investimento sediado no estrangeiro. Ao contrário dos nacionais, os resgates não são tributados no momento, mas têm que ser declarados no IRS do ano respetivo. Também as mais-valias e respetivas operações efetuadas ao longo desse ano são taxadas a 28 por cento, se bem que pode optar antes pelo englobamento. Isto acontece também com os ETF, considerados semelhantes dos fundos de investimento sediados lá fora.

ETFs vs Fundos de Investimento: Perguntas frequentes

Qual é a principal diferença entre um fundo de investimento e um ETF?

A principal diferença entre fundos  e ETFs é que com um fundo tradicional,  recebe apenas um preço por dia enquanto um fundo negociado em bolsa (ou “ETF”) normalmente tem preços diferentes durante as horas de negociação.

Qual é a diferença entre um ETF e uma ação?

Com um único ETF,  investe por meio de uma única transação numa carteira diversificada de títulos, aquela correspondente ao seu índice de referência.

Os ETFs  são adequados para qualquer tipo de investidor?

Os ETFs oferecem uma vasta gama e podem ser usados tanto por investidores institucionais como individuais com diferentes estratégias de investimento. São adequados tanto para investimentos a curto como a longo prazo. Em qualquer caso, como em qualquer investimento, devem ser tomadas as precauções necessárias.

É melhor investir no mercado por meio de um fundo ou ETF?

Se a capacidade de negociar como uma ação é uma consideração importante para si, o ETF pode ser a melhor escolha.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Artigos Relacionados

Neste artigo irá descobrir quais são os melhores ETFs com exposição ao mercado americano. 5 ETFs com exposição ao mercado americano em Portugal Aqui está uma seleção dos 5 melhores ETFs com exposição ao merc...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments