Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Tipos de impostos em Portugal: diretos e indiretos

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Consent(Obrigatório)

Se é português e está apenas a começar a sua responsabilidade de pagar impostos, ou se é um estrangeiro residente, estará certamente interessado em saber sobre os tipos de impostos em Portugal: diretos e indiretos. No artigo seguinte explicamos em profundidade.

O que são impostos?

Os impostos são obrigações fiscais que os indivíduos chamados contribuintes têm, tais como as empresas e qualquer outra pessoa abrangida pelo sistema fiscal português, com vários impostos, constituindo a maior fonte de receitas do governo. Os diferentes atos comerciais estão sujeitos a tributação, por impostos, e os cidadãos, empresas e instituições são obrigados a pagá-los.

Que tipos de impostos existem em Portugal?

O sistema fiscal português é composto por uma série de impostos com diferentes funções, que pode consultar abaixo:

Tipos de impostos Portugal

  • Impostos estatais e não estatais.
  • Impostos diretos e indiretos.
  • Impostos sobre rendimentos, património e despesas.
  • Impostos reais e impostos pessoais.
  • Impostos proporcionais, progressivos e regressivos.
  • Impostos periódicos e pontuais.
  • Principais impostos e impostos complementares.

O que são impostos diretos e indiretos e as suas diferenças?

A seguir explicamos da forma mais curta, simples e directa possível sobre os impostos diretos e indiretos e as suas diferenças:

  • Os impostos diretos são um tipo de imposto que, ao contrário dos impostos indiretos, são cobrados direta ou imediatamente sobre o Rendimento, o Capital ou a Riqueza. Um dos impostos direto é o IRS.
  • Os impostos indireto referem-se a impostos cobrados indiretamente ou são indicativos de certos níveis de riqueza, que se reflectem no consumo de certos produtos e bens. Os impostos indiretos são o IVA e os Impostos Especiais de Consumo, os impostos mais conhecidos e aplicados.

Imposto sobre o Rendimento em Portugal

O Imposto sobre o Rendimento, em Portugal, é um imposto que é cobrado anualmente sobre o rendimento de cada pessoa singular ou coletiva. Em Portugal, o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é cobrado anualmente.

Em maior ou menor grau, toda a população tem de declarar o imposto sobre o rendimento, pelo que todos os cidadãos portugueses com rendimentos são obrigados a declarar o IRS. O imposto sobre o rendimento está dividido em seis categorias equivalentes a cartas. Cada categoria diz respeito a um tipo diferente de rendimento.

Categorias do IRS Portugal

  • Categoria A – Rendimento do trabalho dependente.
  • Categoria B – Rendimento empresarial e profissional.
  • Categoria E – Rendimentos de capital.
  • Categoria F – Rendimentos de propriedade.
  • Categoria G – Ganhos de capital.
  • Categoria H – Pensões.

Existem categorias isentas do pagamento do IRS graças a medidas políticas e financeiras do governo português. Os seguintes rendimentos estão isentos do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares em Portugal:

  • Subsídio de emprego.
  • Rendimento anual de menos de 8.500 euros.
  • Abono de família.
  • Prémios em jogos sociais.
  • Prémios científicos, literários e desportivos competitivos.
  • Indemnização por doença, morte ou danos pessoais.
  • Licença médica.

Pagamento do IRS: estrangeiros residentes em Portugal

Os estrangeiros residentes em Portugal devem pagar o Imposto sobre o Rendimento. Para serem responsáveis, devem ser residentes durante pelo menos 183 dias (consecutivos ou não) durante 1 ano fiscal, de 1 de janeiro a 31 de dezembro.

Impostos sobre o Património em Portugal

O imposto predial em Portugal tem as seguintes taxas de imposto:

  • IMI – Imposto Municipal sobre Imóveis.
  • IMT – Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis.
  • IS – Imposto do Selo (também sobre despesas).
  • AIMI – Adicional ao IMI.

IMI – Impuesto Municipal sobre Imóveis (Imposto Municipal sobre Imóveis)

Substituiu o imposto municipal anterior desde 1 de dezembro de 2003. O IMI como imposto incide sobre os princípios de equivalência ou lucro e é responsável pela tributação do valor patrimonial dos bens imóveis. Para além deste imposto, existem outros impostos especiais em Portugal, cobrados a certos sujeitos passivos, tais como: proprietários de imóveis urbanos ou rústicos, com base em certos aspectos:

A ligação especial do grupo com um objectivo público (responsabilidade do grupo).

Pela potencial utilização do grupo fiscal, diferente dos outros membros da comunidade (utilização em grupo).

O IMI é cobrado sobre edifícios rústicos em terrenos fora de uma aglomeração urbana, e que não são classificados como terrenos para construção, mistos: a parte rústica e urbana não pode ser qualificada como principal e urbana (o resto).

IMT – Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis.

O IMT é um imposto municipal cuja função é tributar as transmissões onerosas de bens imóveis localizados em Portugal. Também é cobrado imposto de selo sobre tais transferências.

A aquisição de mais de 75% do capital social de uma sociedade de responsabilidade limitada (ou de um fundo de investimento imobiliário fechado com subscrição privada) que detenha um ou vários imóveis em Portugal obriga ao pagamento de IMT.

IS – Imposto do Selo (também conhecido como Imposto do Selo, também sobre despesas)

Imposto do Selo (também conhecido sobre despesas) e o imposto cobrado sobre diferentes atos, tais como a compra de uma casa com um empréstimo hipotecário. Ao comprar uma casa, geralmente com base num empréstimo hipotecário, é necessário pagar o imposto duas vezes: quando o imóvel é registado e quando o montante do empréstimo é pago na conta-corrente.

AIMI-Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis

Este imposto é cobrado sobre os bens imobiliários, criado em 2017. AIMI é um imposto cobrado para cobrar a partir dos valores do imposto imobiliário (Valores Patrimoniais Tributários ou VPT), sobre habitações urbanas e terrenos para construção que aparecem na matriz fundiária propriedade do contribuinte.

Trata-se de um imposto que está relacionado com o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em Portugal. O AIMI é cobrado em edifícios residenciais urbanos e terrenos para construção.

Tributação de Automóvel em Portugal

Os impostos relacionados com automóveis têm os seguintes impostos:

  • ISV – Imposto Sobre Veículos.
  • IUC – Imposto Único de Circulação.
  • IUC adicional – O Imposto Adicional de IUC.

ISV – Imposto Sobre Veículos – Imposto sobre Veículos

O Imposto Automóvel foi criado em 2007 pela Lei nº 22-A/2007 para a reforma global da tributação automóvel, substituindo o Imposto Automóvel.

Para além de procurar cumprir certos objectivos ambientais, tais como a redução das emissões de CO2, aplicando-a aos sujeitos passivos e incentivos ao abate e aquisição de veículos elétricos, o ISV é cobrado sobre o fabrico, montagem, admissão ou importação de veículos em Portugal.

Os veículos tributados são: automóveis de passageiros, autocaravanas, motociclos, triciclos e quadriciclos. Os veículos não motorizados, exclusivamente elétricos ou movidos por energias renováveis, não combustíveis, ambulâncias e veículos ligeiros, com ou sem caixa aberta, estão excluídos de tributação.

O imposto é devido por operadores registados, operadores reconhecidos e pessoas singulares com veículos tributáveis. Têm de pagar o imposto no prazo de 10 dias após a liquidação pela Direção-Geral das Alfândegas e Impostos Especiais de Consumo.

IUC- Impuesto Único de Circulación (Imposto Único de Circulação)

Trata-se de um imposto contributivo cobrado aos proprietários de veículos em Portugal, de acordo com o artigo 3º, nº 1 e 2 do Código do IUC (CIUC), com base nos custos ambientais e rodoviários que provocam, de acordo com o artigo 1º do CIUC. O valor do IUCV depende das emissões de CO2 do veículo, da idade, do combustível utilizado e da capacidade do motor.

As pessoas singulares e as pessoas coletivas, de direito privado ou público, podem estar sujeitas à UICN, de acordo com o artigo 3º, nº 1 e 2 da ICSU. O IUC é pagável anualmente, até o registo ser cancelado, ou aquando do abate do veículo (art. 4, n. 1 e 3 do CIUC). A UICN é cobrada aos veículos por categoria, embora possa haver características que permitam uma isenção.

IUC adicional – O Imposto Adicional de IUC – O Imposto Adicional de IUC

É aplicada a veículos com um nível mais elevado de poluentes adquiridos em Portugal desde janeiro de 2017.

Impostos sobre o consumo em Portugal

Os impostos sobre o consumo português são os seguintes:

  • IVA – Imposto de Valor
  • Acrescentado (IVA – Imposto sobre o Valor Acrescentado)
  • IS – Imposto do Selo (também sobre propriedade)
  • VERDE – Imposto sobre sacos de plástico.

IVA – Imposto de Valor Acrescentado (IVA – Imposto sobre o Valor Acrescentado)

O imposto sobre o valor acrescentado (IVA) é um imposto cobrado sobre a despesa ou consumo e o “valor acrescentado” das transações realizadas pelo contribuinte em determinadas áreas. Trata-se de um imposto pago em todas as fases do circuito económico, tanto o produtor como o retalhista.

É um imposto multifásico, pelo que não é cumulativo, e o seu pagamento corresponde aos diferentes participantes no circuito económico, através de um crédito fiscal. Em Portugal, existem três níveis básicos de IVA, aplicados de acordo com o tipo de produtos e serviços.

Valor IVA em PortugalContinenteMadeiraAzores
IVA Normal23,00%22,00%18,00%
IVA Intermédio13,00%12,00%9,00%
IVA Reduzido6,00%5,00%4,00%


Existe uma taxa reduzida de IVA para:

  • Rums e licores, se produzidos e declarados para consumo na Região Autónoma da Madeira.
  • Os serviços de reparação de eletrodomésticos estão sujeitos a uma taxa reduzida de IVA.
  • A venda de queijos veganos, à base de frutos secos, frutas ou legumes.
  • O fornecimento e instalação de painéis solares térmicos e fotovoltaicos.
  • A compra de fertilizantes e de alimentos para animais
  • O equipamento Covid-19, máscaras ou solução desinfectante das mãos são tributados à taxa de 6% de IVA.

IS – Imposto do Selo

O imposto de selo é o imposto mais antigo do sistema fiscal português, criado em 24 de Dezembro de 1660. É cobrado sobre todos os atos, contratos, documentos, escrituras, títulos, livros, papéis e outros factos previstos, bem como sobre as transferências gratuitas de bens.

VERDE – Imposto sobre sacos de plástico

Com a Reforma Fiscal Verde, desde 2015, o imposto sobre sacos de plástico leves tem sido aplicado para conter o consumo excessivo de sacos de plástico. A partir de 1 de janeiro de 2022, os sacos de plástico deixarão de ser gratuitos na União Europeia. As empresas começaram a cobrar aos consumidores pelos sacos de plástico adquiridos ou devem escolher um saco, ou alternativa mais sustentável.

É cobrada uma taxa extra de 8 cêntimos + IVA sobre sacos de plástico leves.

Impostos especiais sobre o consumo

Outra área de tributação em Portugal abrange os impostos especiais de consumo:

Existem três impostos abrangidos pelo Imposto Especial sobre o Consumo (IEC):

  • IABA – Imposto sobre o álcool, bebidas alcoólicas e bebidas com adição de açúcar ou outros edulcorantes.
  • PSI – Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energia.
  • TI – Imposto sobre o tabaco.

IABA

O IABA é um imposto sobre o álcool, bebidas alcoólicas e bebidas com adição de açúcar e outros edulcorantes. É também cobrada sobre os seguintes produtos:

  • Cerveja
  • Vinhos
  • Bebidas fermentadas
  • Bebidas espirituosas
  • Álcool etílico
  • Bebidas com adição de açúcar ou outros edulcorantes
  • Concentrados para a preparação de bebidas

PSI – Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos

O Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) é um dos impostos especiais de consumo aplicados em Portugal. É cobrada sobre a gasolina e o gasóleo, os combustíveis mais populares. É também cobrada sobre outros produtos petrolíferos e sobre energia, hidrocarbonetos e eletricidade. As taxas aplicadas aos produtos petrolíferos e energéticos são fixadas pelo Governo. Atualmente, 35% do valor final corresponde ao Imposto sobre Produtos Petrolíferos e o IVA sobre o preço total, juntamente com o ISP.

É cobrada sobre os seguintes produtos:

  • Petróleo e produtos energéticos.
  • Produtos para fins de combustível em qualquer tipo de motores não estacionários.
  • Hidrocarbonetos para fins de combustível, exceto turfa.
  • Electricidade

IT – Imposto sobre o tabaco

O nome do imposto fala claramente por si. Aplica-se aos seguintes produtos relacionados com o tabaco:

  • Charutos e cigarrilhas.
  • Cigarros.
  • Cigarros para enrolar tabaco e cachimbos de água.
  • Snuff.
  • Tabaco de mascar.
  • Tabaco aquecido.
  • Líquidos contendo nicotina.

Esperamos que a partir deste artigo tenha uma melhor compreensão do sistema fiscal português e que o ajude a cumprir com o pagamento de impostos.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Como declarar os investimentos no IRS
Se é um investidor em Portugal, é importante que conheça as suas obrigações fiscais e como cumpri-las devidamente.   A guia “Como declarar os investimentos no IRS” é uma ferramenta útil que lhe dá informações de como declarar correctamente os seus investimentos no IRS. Desde fundos de investimento a criptomoedas, a guia cobre uma vasta gama de tipos de investimento

Artigos Relacionados

O Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) é um dos impostos mais importantes em Portugal, uma vez que incide sobre o rendimento dos contribuintes. Uma das principais questões que os contribuin...
A folha de rosto e os anexos do IRS também são elementos essenciais no preenchimento e envio da declaração de imposto...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments