Investir em criptomoedas: dicas e perigos

investir em criptomoedas

Investir em criptomoedas? Já deve ter ouvido falar sobre os pontos positivos e possibilidades de ganhos, mas será que já se informou sobre os riscos de investir em criptomoedas? Nem todos os sites e conteúdos estão dispostos a mostrar o outro lado da moeda, mas é importante estar atento aos riscos desse tipo de investimento.

Este artigo trará uma análise sincera e realista sobre a moeda, apresentamos os principais riscos de se investir em bitcoin.

O que são moedas criptomoedas?

Antes de descobrir o que são criptomoedas, falemos da sua história: Wei Dai, em 1998, foi o primeiro a propor o estabelecimento de um novo tipo de dinheiro descentralizado utilizando a criptografia como meio de controlo; este engenheiro informático foi um precedente no mundo das criptomoedas quando criou o seu sistema de criptomoedas b-money.  Alguns anos mais tarde, em 2008, sob o pseudónimo Satoshi Nakamoto, foram criados o primeiro protocolo Bitcoin e o sistema de dinheiro digital P2P.

As criptomoedas são, portanto moedas digitais cujo objectivo é a troca virtual, quer como moeda, quer como veículo de investimento.

A primeira criptomoeda foi a Bitcoin, criada em 2009, mas só em 2012 foi consolidada como moeda virtual; actualmente podemos encontrar uma vasta gama de moedas criptográficas no mercado, tais como o Ethereum, Tether ou XRP.

Se quiser saber mais sobre Bitcoin e investimento, recomendamos-lhe que leia Como investir em Bitcoin com segurança, onde falamos sobre as vantagens e desvantagens e como começar a investir com esta criptomoeda.

Investir em criptomoedas: dicas

Antes de começar a investir em criptomoedas deve ter em mente que este ativo digital não está sujeito a qualquer política governamental e o seu preço é regulado pela lei da oferta e da procura; é, portanto, um bem muito volátil e não adequado para perfis de investimento conservadores. É por isso que recomendamos que, antes de investir, saiba qual é o seu perfil de risco.

Agora, falemos sobre as dicas para investir em criptomoedas.

1.Ler, fazer perguntas, formação

Parece óbvio, mas acreditamos que é essencial antes de investir em qualquer produto e ainda mais no mundo das criptomoedas. Há muitas luzes e sombras com este tipo de investimento e é essencial ter uma boa base antes de investir.

Certamente já ouviu falar de alguns esquemas relacionados com Bitcoins, em trocas P2P (trocas entre indivíduos sem qualquer plataforma no meio) ou outros como MiningMax, esquema em pirâmide que levou mais de 250 milhões de dólares de acsi uma pontuação de utilizadores.

E se tiver alguma dúvida, pode deixar o seu comentário e perguntar à comunidade.

2. Escolha uma plataforma segura para operar

Ao trocar fiat ou fiat money por criptomoedas, deve contratar uma plataforma de troca, mais conhecida como exchange, ou procurar uma corretora de CFD que trabalha com criptomoedas como activos subjacentes. Sem elas, a menos que opte por outras formas de investir em criptomoedas, tais como a mineração de bitcoins ou o investimento em fundos que detêm criptomoedas nas suas carteiras, não poderá negociar.

Existem diferentes tipos de exchanges e plataformas: “Melhores exchanges de criptomoedas em Portugal 2021”.

E se optar por qualquer outra forma de investimento em criptomoedas, certifique-se de ler e compreender toda a documentação legal do produto em questão antes de começar a investir.

3. Escolha um bom wallet ou carteira

O wallet é a carteira digital onde as suas criptomoedas são armazenadas uma vez adquiridas, um software em que as chaves de acesso às suas moedas digitais são geridas. Existem diferentes tipos de carteiras, dependendo do seu nível de segurança: podem variar desde aplicações no seu smartphone a hardware complexo, bem como carteiras de papel ou web.

4. Não utilize dinheiro que possa necessitar para fazer qualquer tipo de investimento

Como em qualquer outro tipo de investimento, deve investir em criptomoedas as poupanças  que não necessita diariamente ou a curto prazo: deve assegurar-se de que, se sofrer uma quebra, o seu nível de vida não será afectado.

Além disso, sendo um investimento particularmente volátil, devemos estar atentos: no momento da redacção deste artigo, uma única Bitcoin tem um preço superior a 15.000, o seu máximo histórico; em meados de Março de 2020, o seu preço era de 5.000.

5. Comece a investir em Bitcoin

Se está a começar no mundo do investimento em criptomoeda, é aconselhável começar com um pequeno investimento. Existem muitas criptomoedas, mas a mais popular e seguida, da qual se pode encontrar mais informação, é a Bitcoin.

É por isso que recomendamos que comece a investir em Bitcoins: além de ser a mais popular, é a que tem a maior capitalização, maior segurança e liquidez. Além disso, muitos investidores já estão a falar do Bitcoin como um porto seguro e até mesmo um substituto para o dinheiro do fiat.

6. Tenha cuidado com a segurança

De acordo com o que mencionámos nas secções anteriores, uma vez que se trata de um investimento 100% online, deve certificar-se de que as plataformas em que opera são totalmente seguras. Para tal, recomendamos que active o duplo factor de autenticidade e prepare uma senha complexa e única em todas as plataformas que utiliza para operar e armazenar as suas moedas criptográficas.

Que dicas acrescentaria a esta lista? Estamos a ouvir!

Investir em criptomoedas: perigos

Ausência de um comando centralizado

Atualmente, não há uma autoridade ou instituição que regulamente as regras de investimentos e outros pontos importantes em relação à bitcoin. Trazendo para um contexto mais simples, não existe uma instituição como o Banco Central para as moedas digitais. De certa forma, isso pode parecer interessante, já que decisões são tomadas coletivamente. Mas se isso parar de acontecer?

Discordâncias podem ocorrer a qualquer momento e a ausência de uma instituição reguladora pode fazer falta. A tomada de decisões acaba ficando prejudicada, o que pode causar uma instabilidade da moeda.

Falta de regras e legislações

Na Europa ainda não propôs nenhum tipo de regulamentação aos investimentos da bitcoin. Muito dessa postura acontece por conta de uma certa informalidade transmitida pela maneira como os investimentos das criptomoedas são conduzidos, especialmente sob a ideia de que ela está simplesmente criando uma bolha de especulações.

Essa não identificação de relevância por conta das autoridades acarreta ausência de regulamentação, o que deixa o ambiente pouco seguro, com a moeda não se desenvolvendo e aumenta os riscos de se investir em bitcoin. Ainda que à primeira vista tudo funcione bem, em determinadas situações pode ser arriscado não ter ninguém regulamentando esse tipo de atividade.

Mudanças drásticas

O universo da bitcoin tem as suas próprias características, o que inclui questões como o número de moedas disponíveis para negociação no mercado, além de outras questões importantes. Sem uma instituição regulamentadora, essas informações e definições sobre a moeda estão passíveis de mudanças a qualquer momento.

Um acontecimento recente funciona como um bom exemplo desse tipo de risco. Há uma limitação de 21 milhões de moedas no mundo. É justamente esse número que faz com que a oferta seja menor que a procura, ou seja, possibilita essa grande valorização da bitcoin. A questão é que foi sugerido o aumento desse número, para distribuir melhor as moedas e diminuir a concentração de montantes, o que causou insatisfação de quem possui bitcoins.

Possibilidades de ataques

A bitcoin é protegido por um sistema que tem se mostrado eficiente, o blockchain. Até então, jamais foram registados nenhum tipo de ataque bem-sucedido ao sistema em si, o que afetaria milhões de investidores. Mas, como sabemos, hackers são tão capacitados quanto aqueles que desenvolvem os sistemas de proteção. E se um dia um ataque do tipo fosse efetivo?

A questão é que, sem uma instituição que regulamente e controle a bitcoin, os investidores que perdessem as suas cotas da criptomoeda em caso de algum ataque hacker ficariam sem suporte. É justamente essa incerteza que age contra a bitcoin. Além disso, há também as carteiras digitais, que é onde as moedas são armazenadas. Essas sim já sofreram ataques, o que estimula o uso de carteiras offline.

Intervenção do governo chinês

A China é um país conhecido pelas suas restrições amplas, diferentes da nossa cultura. Entre essas restrições está a internet. O país dispõe de um firewall poderoso, que controla o acesso a diversos recursos da rede mundial de computadores. A principal relação do país com a bitcoin atualmente são os mineradores, ou seja, os responsáveis por registrar transações da moeda.

Esses elementos fundamentais para o funcionamento da rede da moeda estão concentrados em grande parte da China, compreendendo 50% dos mineradores de bitcoin no mundo. E se, repentinamente, o governo do país resolvesse intervir nas atividades dessas pessoas? Esse é um dos riscos reais de se investir em bitcoins e que poderia causar transtornos, em proporções gigantescas, a todos os investidores da moeda.

Surgimento de novas moedas

Nem todo o mundo sabe, mas bitcoin é uma nomenclatura específica para um tipo de criptomoeda. Assim como no mercado de ações, podem surgir a todo o momento uma série de outras moedas, o que acontece simplesmente do nada, sem nenhum tipo de lastro. Do mesmo modo que surgem, podem desaparecer. Imagine a situação de investir milhares de reais na bitcoin e ela cair em desuso daqui a alguns anos?

As novas moedas surgem frequentemente, com potenciais aparentemente elevados, portanto, assim como a bitcoin, seguem dentro desse perfil especulativo, não traz nada de novo. Além disso, outras criptomoedas podem interferir também no valor, o que faz com que os riscos de se investir em bitcoin sejam ainda maiores.

Alta volatilidade

No mundo tecnológico tudo é muito dinâmico e pode mudar de uma hora para outra. A bitcoin sofre exatamente esse reflexo no que diz respeito à valorização da moeda. A volatilidade é muito alta, o que expõe ainda mais o risco de investir altos valores nesse tipo de mercado especulativo. Fatores que colaboram para isso são, especialmente, a restrita quantidade de moedas e a utilização ainda limitada.

Essa questão não chega a ser um problema, mas sim um risco. Existem várias ações no mercado que apresentam essas características, com o ónus ficando a cargo do investidor. Entretanto, possibilidades de investimentos mais seguros existem, o que difere nas criptomoedas. Imagine sempre investir as suas poupanças em ações voláteis? Parece pouco interessante, e é isso que acontece com a bitcoin.

Os riscos de se investir em bitcoin são claros, o que faz com que talvez essa ainda não seja uma opção válida. Buscar ações na bolsa de valores, de acordo com o seu perfil de investidor, é o melhor caminho para se ter rendimentos confiáveis e interessantes.

 

 

 

Manual de criptomoedas

Sobre o autor

Henrique Garcia

Analista de Mercados

Responder a este tópico

Bem-vindo(a) à comunidade!

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


Ao continuar, aceita a política de privacidade