Entrar
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Ondas de Elliott: o que são e como usar?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas de seu interesse e assine nossa newsletter abaixo:

Subscription Type(Obrigatório)

Ondas de Elliott: o que são e como usar?

Bem-vindo/a ao universo das ondas de Elliott, uma ferramenta poderosa que permite aos profissionais de finanças prever tendências de mercado com uma precisão surpreendente. As ondas de Elliott, criadas pelo contabilista Ralph Nelson Elliott na década de 1930, são um método de análise técnica que identifica padrões nos mercados de ações, commodities e forex, para determinar o momento de futuras mudanças de preços. Neste artigo, você aprenderá os fundamentos desta técnica, os seus princípios subjacentes e como aplicá-los na sua estratégia de investimento para obter resultados otimizados.

Ondas de Elliott em análise técnica

A teoria das ondas Elliott é uma teoria da análise técnica usada para descrever os movimentos de preços no mercado financeiro. A teoria foi desenvolvida por Ralph Nelson Elliott após observar e identificar padrões recorrentes de ondas fractais. As ondas podem ser identificadas nos movimentos dos preços das ações e no comportamento do consumidor. Os investidores que procuram lucrar com uma tendência de mercado podem ser descritos como uma onda. Um movimento grande e forte de proprietários de imóveis para substituir as suas hipotecas existentes por novas em melhores condições é chamado de onda de refinanciamento.

Conceitos-chave

  • A teoria das ondas Elliott é uma forma de análise técnica que busca modelos de preços recorrentes a longo prazo relacionados a mudanças persistentes no sentimento e na psicologia dos investidores.
  • A teoria identifica as ondas impulsivas que estabelecem um modelo e as ondas corretivas que se opõem à tendência mais ampla.
  • Cada série de ondas está aninhada numa série mais ampla de ondas que aderem ao mesmo padrão corretivo ou impulsivo, descrito como uma abordagem fractal à inversão.

Leia também:

Qual é a teoria das ondas de Elliott?

A teoria foi desenvolvida por Ralph Nelson Elliott em 1930. Depois de ser forçado a se aposentar devido a uma doença, Elliott precisava de algo para ocupar seu tempo e começou a estudar 75 anos de gráficos anuais, mensais e semanais, diariamente e feito por horas e 30 minutos de vários índices.

A teoria ganhou notoriedade em 1935, quando Elliott fez uma previsão surpreendente de um fundo de ações. Desde então, tornou-se um item básico para milhares de gerentes de portfólio, traders e investidores privados.

Elliott delineou as regras específicas que governam como identificar, prever e explorar esses padrões de ondas. Esses livros, artigos e cartas são coletados em R.N. Elliott, publicado em 1994. Elliott Wave International é a maior empresa independente do mundo em análises financeiras e previsões de mercado, cujas análises e previsões de mercado são baseadas no seu modelo.

Ralph Nelson Elliott teve o cuidado de apontar que esses modelos não fornecem nenhum tipo de certeza sobre o movimento futuro dos preços, mas, em vez disso, sirva para ordenar as oportunidades de futuras ações de mercado. Eles podem ser usados em conjunto com outras formas de análise técnica, incluindo indicadores técnicos, para identificar oportunidades específicas. Os traders podem ter diferentes interpretações da estrutura Elliott Wave de um mercado a qualquer momento.

Como as ondas de Elliott são calculadas?

A fase de impulso é constituída por cinco ondas (1-5) enquanto a fase de correção é composta por três (a-c). Teoricamente, a aparência de uma série de ondas Elliot ocorre conforme segue:

ondas elliot

1-5. Fase de impulso

a-c: fase de correção

Na fase de impulso, a onda 1,3 e 5 são chamadas ondas de impulso, enquanto as ondas 2 e 4 são ondas de correção. As ondas 2 e 4 corrigem parcialmente onde movimentos realizados pelas ondas 1 e 3. Da mesma forma, as ondas a-b-c corrigem as ondas 1-2-3-4-5. O gráfico poderia ter sido desenhado ao contrário no caso de uma tendência em queda, com fase de impulso e outra de correção. (Tudo o que foi informado neste artigo pode ser aplicado igualmente para as tendências  em baixas e em alta).

Abaixo, podemos ver um exemplo de um ciclo de ondas de Elliot numa tendência de projeção em baixa. Neste caso, podemos observar a cotação de Mapfre nos gráficos de velas semanais. O padrão se encaixa muito bem com o que teoricamente deveria ser cumprido: uma fase impulsiva (1-5) e outra corretiva (a-c). Em qualquer caso, é difícil fazer uma contagem adequada quando o ciclo ainda não foi encerrado. No gráfico a seguir, não sabemos com certeza se a onda 5 é a realmente a 3a, e se a fase corretiva está relacionada à onda 4.

ondas Elliot

Particularidades de cada Onda de Elliot

  • Onda 1: A onda 1 é o primeiro de todo um ciclo de onda. Como a teoria da onda de Elliot é enquadrado nas tendências, entendemos que a Onda 1 forma o início de uma tendência. Portanto, já que é a primeira onda de uma tendência que ainda não foi desenvolvido, é muito difícil de reconhecê-la. Normalmente, é o comprimento de onda mais curta numa fase impulsiva e raramente se refere à onda comprida (fase impulsiva mais longa).
  • Onda 2: A onda 2 é aquela que corrige parcialmente a onda 1. É muito comum que a Onda 2 esteja relacionada à correção de parte do movimento realizado pela onda 1 já que muitos investidores ainda acreditam que a tendência anterior ainda é válida (Isso pode ser claramente visto no gráfico da Mapfre). Se a correção excede 100% do movimento da onda 1, estaríamos a fazer uma má contagem das ondas e a tendência anterior não teria conclusão.
  • Onda 3: Geralmente é a onda mais longa da fase impulsiva e nunca é a mais curta já que é uma tendência que já começou e é bastante evidente para os investidores que a onda vigente é a 3 e este o momento mais favorável para a negociação. Neste caso devemos também levar o volume negociado em consideração, já que está relacionado às possibilidades de encontrarmos esta onda aumenta consideravelmente.
  • Onda 4: Exatamente como ocorre com a onda 2, a onda 4 corrige a onda anterior, neste caso a onda 3. Geralmente, nos referimos a ela como a onda com mais difícil de interpretar, a mais aleatória. Às vezes, a cotação permanece por um período longo de tempo nesta onda, noutras vezes, o preço realiza um deslocamento lateral.
  • Onda 5: em mercados de derivados, a onda com o percurso maior costuma ser a onda 5 no lugar da onda 3. Já que esta é a última onda da fase de impulso, normalmente costuma ter um desempenho mais fraco em relação à tendência. Podemos comprovar isso com um volume baixo ou divergências nos indicadores técnicos. Às vezes ocorre uma falha 5, quando isso acontece, significa que a onda 5 não consegue superar o nível da onda 3, resultando numa formação de teto duplo que pode resultar numa mudança de tendência brusca.
  • Onda a: ocorre algo similar à onda 1. Sendo a primeira onda de uma nova fase, há dúvidas sobre a sua veracidade e é dificilmente identificável já que pode ser confundida com uma reversão da tendência vigente (fase impulsiva).
  • Onda b: Onda B permite confirmar que a fase impulsiva foi concluída, porque não deve ultrapassar a onda 5. Geralmente, esta onda não tem muita força e pode, às vezes, chegar a níveis similares aos da onda 5 para formar o que pode ser considerado um teto duplo.
  • Onda c: A onda C costuma ter mais força que a b já que se desloca na mesma direção que a fase corretiva.

Fractalidade nas Ondas de Elliot

Há factualidade nas ondas de Elliot. Isto significa que, uma fase de impulso num período, por exemplo, de 1 hora, pode formar a onda 1 de um marco diário temporário. Por sua vez, a formação de uma fase de correção de 1 hora forma a onda 2 do marco diário temporário. Em suma, a formação de ciclos de onda de Elliot completos em marcos temporários pequenos pode significar a formação de ondas em marcos temporários ainda maiores:

Fractalidade nas Ondas de Elliot

No gráfico anterior, observamos vários ciclos de ondas de Elliot. O primeiro deles está associado às ondas (1) e (2) de um ciclo superior: A fase impulsiva corresponde com a onda (1), enquanto a fase corretiva, com onda (2). Isso volta a se repetir no próximo ciclo, correspondente as ondas (3) e (4). Finalmente, a onda (5) consiste de uma fase impulsiva.

Posteriormente, ocorre a correção (a)-(b)-(c): A onda (a) e (c) correspondem às fases impulsivas, enquanto a onda (b) está relacionada à fase corretiva. Desta forma, temos um ciclo com duas ondas de ondas (fase impulsiva + fase corretiva) formadas de um ciclo com um tempo maior.

Regras e recomendações das ondas de Elliot

Já vimos o que são as ondas de Elliot, as fases que existem dentro de um ciclo de ondas e a factualidade na formação de ondas. Mas eles devem cumprir com certos padrões? Para validar a formação de um ciclo ou uma onda, devemos levar em conta três regras das ondas de Elliot. Suponhamos que estamos numa tendência com projeções altas para a explicação sobre as regras:

  • A onda 2 não pode terminar abaixo do ponto onde começa a onda 1. Se isso ocorrer, nos deparamos com um ciclo de ondas de Elliot. O mercado, aliás, não está sempre associado a ciclos de ondas, mas as tendências são prováveis, se forem delineadas, embora seja mais fácil reconhecê-las numa fase posterior.
  •  A onda 4 nunca deve voltar ao ponto de queda abaixo da onda 1. De outra forma, a onda quatro nunca pode retroceder a 100% da onda 3.
  • A onda 3 deve ser a onda mais curta. Na verdade, é muito comum que seja a mais longa. Além disso, ela deve terminar acima da onda 1.

Existem recomendações adicionais para a realização de uma boa contagem de ondas. Algumas destas recomendações são:

  • Extensão: pelo menos, uma das três ondas deve ter uma extensão de preço consideravelmente melhor do que os outros dois. Conforme vimos anteriormente, normalmente, as ondas 3 e 5 são as mais compridas. A diferença de uma onda impulsiva em relação as outras duas deve ser notável. A contabilização de três ondas iguais ou muito similares significa que provavelmente realizamos uma contagem incorreta. Isto também se aplica à duração da formação de cada onda.
  • Semelhança: já falamos sobre a fractalidade das ondas. Para não confundir ondas diferentes, recomenda-se que uma onda corretiva tenha pelo menos 38% do preço e tempo da onda anterior.
  • Alternância: as ondas corretivas de uma fase impulsiva (ondas 2 e 4) devem as mais diferentes entre si, tanto na forma, % de correção e duração temporária.
  • Canalização: a linha de tendência delineada pela inclinação das ondas 2-4. Esta linha deve ser ultrapassada em menos tempo do que o tempo necessário para a formação da onda 5, caso contrário, a contagem da onda não seria aceitável.

Como as ondas Elliott são usadas no trading: exemplos gráficos e práticos

Elliott delineou a forma de onda típica de uma ação num mercado, as oscilações com os seus pullbacks associados (ou rally de tendência de baixa) com o seguinte desenho e nomeou cada onda:

Esses desenhos nos permitem identificar em que fase estamos. Das ondas 1 a 5, estamos em pull com a tendência principal com pullbacks nas ondas 2 e 4. Nas ondas descritas com letras, estamos na fase corretiva em direção à linha de tendência.

Há momentos em que o modelo Elliott fica bem nos gráficos e há momentos em que não. Muitas vezes parece, mas não é.

Elliott definiu um conjunto de regras geométricas para saber identificar cada onda. Por exemplo, a onda 3 deve ser a mais longa da fase a favor da tendência.

Isso nos ajuda, quando achamos que reconhecemos uma oscilação, imediatamente após o primeiro pullback (onda 2), ter expectativas mais altas do que o normal e estender um pouco mais a operação com alguma confiança.

Por outro lado, quando acreditamos que estamos tentando explorar a onda 5 (a última boa), devemos estar prontos para partir ao menor sinal de alarme. Isso levaria a um ajuste adicional de nosso stop ou ao alcance da meta mais próxima.

Como eu disse, estamos principalmente interessados ​​em seguir a onda 3, e também as ondas 1 e 5. De todas as outras, desde que negocie a favor da tendência, vtem que deixá-la ir (incluindo a onda B). Não tente tirar vantagem de retrocessos intermediários. Pode levar a grandes perdas.

É muito melhor vender as ondas -1, -3 e -5 (curtas) do que vender as ondas 2, 4, A ou C.

Resumindo:

Para considerar uma onda de Elliott válida, devemos manter estas regras em mente:

  • A onda número 1 é longa.
  • A onda corretiva número 2 é mais curta que a onda 1.
  • A onda 3 é mais longa que a onda 1.
  • A onda 4 é mais curta que a onda 3.
  • A onda 5 é do mesmo tamanho que a onda 1.

Resumindo, é fácil identificar uma onda Elliott já formada vendo 5 ondas e a terceira mais longa que as demais.

Identificar ondas elliott

As ondas de Elliott têm 3 pulsos que são mais longos que as retrações.

Pulsos ondas de elliott

Se virmos um grande impulso e depois uma correção, podemos deduzir que podemos olhar para uma onda Elliott e então deduzir que a onda 3 será longa e prever mais ou menos onde o preço pode ir.

Além disso, se já vemos 3 ondas se formando, sabemos que uma onda corretiva 4 está chegando e, em seguida, formando a última onda 5.

Se virmos uma onda Elliott já formada com 5 ondas, podemos deduzir que uma correção ABC está chegando.

Cinco ondas

Elliott e ondas de Fibonacci no trading

As extensões e correções do Fibonacci trazem algum sentido matemático à teoria das ondas de Elliott e ajudam a identificar onde a negociação é possível.

É comum usar números de Fibonacci no trading para inserir correções, mas extensões também podem ser usadas.

Uma correção de movimento é quando o preço se move contra a tendência anterior.

No caso de Elliott Waves, podemos usar correções para determinar onde a onda de pulso 3 ocorrerá dentro de um movimento maior.

Quando identificarmos a onda 1 e a onda 2, poderemos determinar onde o preço deve parar. Essas zonas coincidiriam com os níveis de Fibonacci, 38,2, 50 ou 61,8.

Nestas determinadas áreas, e utilizando indicadores técnicos ou candlesticks japoneses, poderemos descobrir o início de uma onda 3, posicionando-nos ao lado do mercado.

Da mesma forma, podemos usar as extensões de Fibonacc i para determinar até onde a onda 3 pode ir e estabelecer um lucro.

Os níveis de extensão mais comuns são 100, 138,2 e 161,8, que dependendo da força do movimento e da onda (3 ou 5), podemos estimar chegar mais longe ou mais perto.

Normalmente, a onda 3 é a maior, com as ondas 1 e 5 as menores de um movimento impulsivo.

Leia também

👉 Sequência de Fibonacci

👉Velas japonesas

Conclusões

Foi demonstrado que, se colocarmos vários analistas para identificar a tendência com base em Elliot Waves, nenhum deles concordará com sua contagem, não importa o quão especialista eles sejam nessa teoria.

Isso mostra que se trata de uma teoria bastante subjetiva e de difícil aplicação.

Tem vários pontos interessantes, como identificar as principais ondas de impulso, cujas ondas de retração coincidem com importantes níveis de Fibonacci e podem nos ajudar a estimar quanto momento nos resta.

Mas daí para ter que contar exatamente 144 ondas para reconhecer um ciclo completo, há muito trabalho e pode valer mais a pena gastar esse tempo numa varredura completa do mercado.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Manual de Análise Técnica

Este e-book fornece informações fundamentais sobre a análise técnica, um método amplamente usado nos mercados financeiros:

  • Noções básicas
  • Como começar a usar a análise técnica

Artigos Relacionados

A máxima do trading sempre foi a mesma: obter uma estratégia vencedora e aplicá-la consistentemente, sem sair dela. Portanto, nesta guia de trading com ChatGPT, a primeira ideia – conseguir uma estratégia ve...
“Investir em ouro para se proteger da inflação”. Certamente todos já ouviram esta frase pelo menos uma vez quando se ...

Deixar uma Resposta

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments