Entrar Criar conta
Acesso
Entrar em Rankia

Bem-vindo à sua comunidade financeira

Informe-se, debata, compartilhe experiências; aprenda sobre como economizar e investir. Faz parte da maior comunidade financeira, já somos mais de 750.000 desde 2003. Você se inscreve?

Empresas para investir: como escolher?

Subscrever Newsletter

Selecione os temas que lhe interessa e personalize a sua experiência no Rankia

Enviaremos uma Newsletter cada quinze dias com as novidades de cada categoría que escolheu


Quer receber notificações dos nossos eventos/webinars?


A bolsa de valores é talvez um dos mercados que mais atrai investidores no mundo; é por isso que muitos deles sempre se perguntam como tomar a melhor decisão de investir. Neste artigo vamos falar sobre  como escolher empresas para investir.

Como escolher empresas para investir nelas?

Normalmente, a maioria dos investidores, principalmente quando  começam a investir no mercado de ações, centram-se nas maiores empresas do mercado interno. Embora o comportamento das empresas tenha sido bom ou mau, o fato de não saber como selecionar empresas fará com que deixemos passar boas oportunidades. Quantas vezes dissemos, sabia que esta empresa teria sucesso… Mas eu não comprei. Além disso, se aprendemos o básico para aplicar filtros, evitaremos comprar empresas quando estiverem a citar múltiplos elevados.

Investir no mercado de ações consiste basicamente em selecionar empresas que possam crescer no futuro, obtendo maiores lucros e que, no momento de comprá-las, não estejam com múltiplos demasiado  exigentes.

Para isso, veremos quais são os principais índices que consideraremos, onde podemos obter as informações e por que selecionamos ou não uma empresa de acordo com os seus dados. Pelo menos, tentaremos aproximar-nos de um preço razoável para reduzir a nossa exposição a ter um portfólio sobrevalorizado.

Antes de começar com os dados a serem considerados para fazer uma seleção apropriada de valores, devemos entender que nos mercados de ações são pequenas e grandes empresas, e que as pequenas empresas geralmente têm mais potencial de crescimento e, consequentemente, os seus múltiplos são geralmente mais exigentes. Mas, como veremos, tudo depende. Para evitar contradições, é interessante comparar os múltiplos de uma empresa com os do setor e também com dados históricos, bem como futuras previsões.

Embora existam muitos sites que oferecem dados fundamentais, a experiência diz-nos que é mais confortável e confiável obter os dados de qualquer corretora que tenha as informações que queremos. 

O que devemos ter em conta nos filtros de busca

Embora existam muitos filtros, estudaremos quais são alguns dos mais importantes e podemos acessar de forma fácil e rápida.

  • Lucro líquido por ação: divide o lucro líquido (após impostos) pelo número de ações. É útil enquanto consideramos expansões / reduções de capital, o que nos dá uma visão mais realista do benefício que obtemos como acionistas.
  • Dividend yield: do benefício que se reparte entre as ações, o rendimento de dividendos diz-nos qual a rentabilidade que receberemos no final do ano, com dividendos cobrados, ao comprar as ações a um certo preço, obviamente teremos de mantê-las até recebermos o dividendo. Não só devemos olhar para o que vamos cobrar, mas dará uma visão de como o mercado valoriza os stoks. Quanto maior o rendimento do dividendo, mais barato compraremos as ações. Podemos comparar a rentabilidade por dividendos entre as empresas do setor e também com a história da empresa, de modo que possamos uma mensuração simples da avaliação.
  • PER: A relação entre o preço da cotação e o lucro por ação diz-nos quantas vezes pagamos o lucro de uma empresa, de modo que se calcularmos o inverso, ele nos informará da rentabilidade anual que se espera dessa acção . Igualmente comparando-o entre o setor e o PER histórico da empresa, saberemos quando estamos em termos de avaliação de mercado.
  • Preço alvo: este é o preço que espera obter a participação conforme o consenso de analistas. Os analistas estudam certas empresas, analisando constantemente as variáveis ​​que afetam as empresas (notícias, novos contratos, desenvolvimentos no setor, impostos, regulamentos…). Desta forma incorporam as novas informações nos seus modelos de avaliação e dão um preço-alvo que varia conforme a informação relevante com a qual eles estão familiarizados.

O que mais posso ter em mente para selecionar valores?

Existem outros dados mais técnicos, mas não menos importantes, como Ebitda, Ebit, dívida, ativos e fluxo de caixa. Mantê-los em mente é muito importante, saber se a empresa ganha dinheiro e que rentabilidade obtém das suas operações.

  • Volume de negócios: Ajuda-nos a identificar se a empresa é grande ou pequena. Comparar o seu benefício, para saber se o aumento no lucro é devido a um aumento maior nas vendas ou a outros tipos de operações.
  • Ebitda: É hoje um dos dados mais utilizados, informa-nos o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização. O Ebitda ajuda a ter uma medida de lucros sem ter em conta despesas de juros, amortizações, etc. Importante par que vejamos a rentabilidade do negócio, eliminando eventos corporativos circunstanciais, como aquisições, etc.
  • EBIT: A diferença com o Ebitda é que incorpora depreciação e amortização.
  • Dívida financeira líquida: É calculada pela soma de todas as dívidas, subtraindo dinheiro e investimentos financeiros temporários. É interessante encontrar empresas que não estão excessivamente endividadas.
  • Ativo líquido por acção: O valor dos ativos da empresa no mercado, descontando a dívida financeira líquida e outros passivos. Permite estimar a criação de valor para o acionista.
  • Fluxo de caixa( Cash Flow ) por ação: O Cash Flow mede a diferença entre as entradas e as saídas de dinheiro na caixa registadora da empresa. Se dividi-lo entre o número de ações, obtemos a rentabilidade da ação conforme o dinheiro que entra na empresa. É muito útil ter uma magnitude real da situação de rendimentos e despesas da empresa, dado que não considera o “Eu vou pagar” que durante a crise forçou muitas empresas a provisioná-lo. As empresas com um retorno de fluxo de caixa positivo são muito interessantes na sua carteira se a sua avaliação for adequada.

Além disso,  outros aspetos devem ser considerados  ao investir:

  1. Diversifique o portfólio:  neste caso, recomenda-se não investir tudo na mesma empresa, mas apostar em uma ou duas empresas que apresentem alta rentabilidade.
  2. Analisar os balanços patrimoniais da empresa: para isso, devem ser analisados ​​os níveis de endividamento e liquidez da empresa.
  3. Faça uma investigação completa da empresa:  considere a história da sua fundação, o setor da economia em que desenvolve as suas atividades.
  4. Analise os fatores de risco:  as ações da empresa são voláteis; É por isso que deve analisar a maneira pela qual você pode reduzir esse risco.

Resumindo, considerando esses poucos dados, podemos primeiro ter uma visão da avaliação, e se a avaliação for atrativa para nós, podemos passar a analisar se a empresa é lucrativa e qual ganho nos oferecerá nos próximos anos. Obviamente nada é certo, mas esses dados nos ajudarão a entender melhor as empresas e a sua situação financeira.

Ler mais tarde - Preencha o formulário para guardar o artigo como PDF
Consent(Obrigatório)

Manual de Análise Fundamental

Este e-book irá ajudá-lo a aprender o que precisa de saber para começar com sucesso na análise e a avaliação das empresas cotadas em bolsa:

  • Noções básicas
  • Rácios relevantes da Análise Fundamental
  • Entendimento das demonstrações financeiras

Artigos Relacionados

Na bolsa de valores existem muitos índices. Um desses índices utilizado por investidores é o STOXX 600. Não é tão conhecido como o Nasdaq ou NYSE, mas, é importante entender o que é e como funciona. Neste ar...

Deixar uma Resposta

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments