Como declarar os investimentos no IRS 2021

Como declarar os investimentos no IRS 2021

Como declarar os investimentos no IRS 2021? Arranca já no dia 1 de Abril o prazo de entrega da declaração de IRS referente ao ano de 2020. É certo que decorre até ao final do mês de Junho, um prazo bem alargado, mas quanto mais depressa a entregar, mais rápido fica descansado dessa tarefa.

Como declarar os investimentos no IRS 2021

É certo que o preenchimento da declaração de IRS pode ser uma dor de cabeça e é por isso que muitas pessoas preferem contratar um contabilista ou outro tipo de especialista para tratarem dessa burocracia. No entanto, nem sempre essa é a opção mais acertada. Além de poder ser dispendioso, por vezes é melhor saber como declarar correctamente determinadas questões.

É certo que, em Portugal, na maioria dos casos referentes a este tipo de rendimentos, os lucros obtidos já passaram pela respectiva retenção na fonte. No entanto, há sempre a opção do investidor operar pelo enquadramento global do total dos rendimentos.

No entanto, esta é uma situação muito particular, já que na maioria dos casos não é vantajoso para o contribuindo. Existem, contudo, três excepções, a saber:

  • quando o rendimento total, calculando os juros também, é inferior à soma de 10732 euros, uma vez que não ultrapassará uma taxa de imposto de 23 por cento;
  • quando existe um saldo negativo calculado entre a diferença das mais-valias e das menos-valias;
  • ou quando teve saldo negativo nos anos anteriores.

Assim, os investidores que preparem a sua declaração de IRS devem começar, primeiro que tudo, por analisar se os seus investimentos já foram declarados automaticamente ou não. Para isso, também é necessário perceber quais são os activos que são passíveis de declarar no IRS. São eles:

  •  Depósitos a prazo:
  • Certificados de aforro
  • Certificados do tesouro
  • Obrigações
  • PPR

Nestes tipos de investimento a retenção é feita automaticamente (28%) e como já recebem os valores líquidos, por isso nã é preciso declarar nada.

Desta lista elencada no parágrafo anterior, só o último, os PPR, é que têm que ser necessariamente declarados de forma manual. Um PPR é um Plano Poupança Reforma, ou seja, um produto financeiro para garantir retorno a longo prazo. É um ferramenta muito usada por quem quer garantir um rendimento sólido e considerável na última fase da sua vida, para consolidar a sua própria reforma ou mesmo como substituição desse valor.

No caso de deter um PPR, pode optar por usufruir dos benefícios discais à entrada, ou seja, das deduções à colecta, ou ter o PPR livre para ser resgatado a qualquer altura. Lembre-se que, no entanto, vai sempre haver retenção de IRS sobre as mais-valias nesta última opção. No caso de usufruir da dedução à colecta, terá que retornar o benefício fiscal acrescido de 10 por cento por cada ano do PPR.

Posto isto, antes de preencher e enviar a sua declaração de IRS deste ano deve simular ambas as opções para perceber qual a mais vantajosa no seu caso. Pode utilizar o próprio formulário online e apenas simular, sem submeter no final, se bem que este caso nunca considera activos e rendimentos feitos no estrangeiro – o anexo J. A alternativa é pedir ao seu contabilista que faça a simulação por si, até porque ele tem acesso a softwares que o fazem de forma mais eficaz, simples e rápida.

Como preencher a própria declaração de IRS?

Finalmente, é importante saber como preencher a própria declaração de IRS. Não é propriamente um sistema simples, uma vez que cada categoria de rendimentos é feita num anexo específico. As categorias que procura são a E e a G, sendo a E relativa a rendimentos de capitais e a G relativa aos incrementos patrimoniais. No caso dos rendimentos da categoria E, eles podem ser feitos tanto em território nacional como estrangeiro, uma vez que não há qualquer distinção.

Para cada uma destas categorias existe um anexo respectivo, com a letra correspondente. Só aqui é que é feita a distinção entre rendimentos que foram obtidos fora de Portugal. Para estes, o anexo necessário é o J, tanto para. Categoria E como para a G. Em caso de dúvidas deve sempre procurar ajuda especializada, principalmente junto de um contabilista ou de um técnico oficial de contas. Estes são os profissionais habilitados para prestarem todos os esclarecimentos necessários, para que possa fazer a sua decoração de IRS da melhor forma. No fundo, o essencial é adoptar uma postura sensata, responsável e inteligente para que não lhe falte nada na altura de declarar os seus investimentos.

0

Sobre o autor

Rankia

Responder a este tópico

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *